terça-feira, 27 de setembro de 2011

Textos e Interpretações

                      O Macaco e o Peixe
                                Mia Couto
        Um macaco passeava-se à beira de um rio, quando viu um peixe dentro de água. Como não conhecia aquele animal, pensou que estava a afogar-se. Conseguiu apanhá-lo e ficou muito contente quando o viu aos pulos, preso nos seus dedos, achando que aqueles saltos eram sinais de uma grande alegria por ter sido salvo. Pouco depois, quando o peixe parou de se mexer e o macaco percebeu que estava morto, comentou:
         - Que pena eu não ter chegado mais cedo!
            MORAL: Cuidado ao tentar ajudar os outros, às vezes você pode atrapalhar”…2) Responda de acordo com o texto.
a) Qual é o titulo do texto?
b) Quem é o autor?
c) Quantos parágrafos possuem o texto?
d) Qual é a moral da história?
e) Quantos travessões apresentam no texto?
f) Onde o macaco passeava?
g) O que ele viu?
h) O macaco conhecia aquele animal? Então o que pensou?
i) Então o que o macaco fez ao ver que o peixe estava se afogando?
j) O que aconteceu quando o peixe parou de se mexer?
k) O que o macaco falou? Use o travessão.
l) Copie do texto uma frase exclamativa.
3) Marque X no quadradinho correto.
a) Este texto é:
(    ) um texto jornalístico  (    ) um anúncio  (   ) uma fábula
b) A história trata especialmente da:
(    ) esperteza.  (    ) maldade   (    ) gula.      (    ) ignorância
4) Invente dois nomes próprios, um para o macaco e outro para o peixe.Use letra maiúscula, não esqueça.
5)Dê o plural das palavras.
peixe                      macaco                 água                      animal
sinal                       pulo                       dedo                      salvo
preso                     salto                       alegria                   outro
6) Dê o diminutivo das palavras
peixe                      macaco                 animal                   sinal
pulo                        dedo                      salto                       papai
mamãe                 caderno                livro                        sacola
penal                     caneca                  anel                       brinco
7)  o feminino;
Macaco                 esposa                  comprador           papai
Bode                      carneiro                agricultor              bancário
Vendedor             pintor                     digitador                               inspetor
8) Numere a segunda coluna de acordo com antônimo das palavras corretamente.
( A ) curto                                             (    )alegre            
( B ) rápido                                           (    ) vivo
( C ) nunca                                           (    ) igual
( D) amar                                             (    )imperfeito
( E )triste                                               (    ) comprido
( F ) morto                                            (    ) lento
( G )diferente                                       (    ) sempre
( H)perfeito                                          (    )odiar
9) Passe as frases para o plural.
a) O teu livro é novo e colorido.
b)Aquele sapato não é grande.
c) O cabelo da mulher é comprido.
d)O pião do colega rodopia muito bem!
e) O papel azul rasgou-se.
10) Escreva 10 palavras com X  e 10 com CH.
11) Copie esta outra história e reflita.
O Macaco e o Peixe
         Certa vez um macaco e um peixe foram colhidos por uma grande enchente. O macaco, ágil e experimentado, teve a boa sorte de trepar a uma árvore e salvar-se. Olhando lá embaixo as águas turbulentas, viu o peixe debatendo-se contra a corrente rápida. Movido por um desejo humanitário de ajudar seu companheiro menos afortunado, estendeu a mão e tirou o peixe da água. Com surpresa para o macaco, o peixe não ficou muito agradecido pelo auxílio.
            MORAL: Cuidado ao tentar ajudar os outros, às vezes você pode atrapalhar”…
12) Agora desenhe a cena seja criativo. Não esqueça de pintar bem colorido.

A Raposa e a Cegonha
                                                    
Fábula de La Fontaine
             A Raposa convidou a Cegonha para jantar e lhe serviu sopa em um prato raso.
           -Você não está gostando de minha sopa? - Perguntou, enquanto a cegonha bicava o líquido sem sucesso.
           - Como posso gostar? - A Cegonha respondeu. vendo a Raposa lamber a sopa que lhe pareceu deliciosa.
            Dias depois foi a vez da cegonha convidar a Raposa para comer na beira da Lagoa, serviu então a sopa num jarro largo embaixo e estreito em cima.
          - Hummmm, deliciosa! - Exclamou a Cegonha, enfiando o comprido bico pelo gargalo - Você não acha?
          A Raposa não achava nada nem podia achar, pois seu focinho não passava pelo gargalo estreito do jarro. Tentou mais uma ou duas vezes e se despediu de mau humor, achando que por algum motivo aquilo não era nada engraçado.
           MORAL: às vezes recebemos na mesma moeda por tudo aquilo que fazemos.:
2) Responda de acordo com o texto.
a) Qual é o titulo do texto?
b) Quem é o autor?
c) Quantos parágrafos possuem o texto?
d) Qual é a moral da história?
e) Quantos travessões apresentam no texto?
f) Quem a raposa convidou?
g) O que a raposa perguntou a raposa?
h) O que a raposa respondeu?
i) Em que recipiente a raposa serviu a cegonha?
j) Quem convidou dias depois para comer uma sopa em jarro?
k) Por que a raposa não podia comer no jarro?
3) Marque X no quadradinho correto.
a) Este texto é:
(    ) um conto de fadas     (    ) uma fábula (   ) texto poético
b)  A Raposa convidou a Cegonha para:
(    ) almoçar         (    ) jantar             (    ) tomar café
c) A raposa ...
(    ) lambia a sopa             (    ) bicava a sopa
ds vezes recebemos na mesma moeda por tudo...
(    ) por tudo aquilo que não fazemos
(    ) por tudo aquilo que fazemos.
(    ) pelos outros que fazemos
e) A história trata especialmente da:
(    ) esperteza.  (    ) maldade   (    ) gula.      (    ) ignorância
4) Invente dois nomes próprios, um para a raposa  e outro para a cegonha.Use letra maiúscula, não esqueça.
5)Dê o plural das palavras
Raposa                 cegonha                               jantar
Sopa                      prato                      líquido
Deliciosa              bico                        comprido
Jarro                      focinho                  gargalo
Engraçado           moeda                  convite
6) Dê o diminutivo das palavras.
Raposa                 cegonha                               amiga
Prato                      sopa                      jarro      
Moeda                   calça                      sapato
Porta                      blusa                     folha
7)  o masculino;
Mulher                   garota                    madrinha
Comadre              aluna                     vizinha
Professora           médica                  enfermeira
Advogada             bancaria                               patroa
Vendedora           diretora                 inspetora
8) Numere a segunda coluna de acordo com antônimo das palavras corretamente.
( A )doente                                           (    )noite               
( B )jovem                                            (    ) pequeno
( C )calmo                                            (    ) complicado
( D)estreito                                           (    )conversador
( E )calado                                           (    ) largo
( F )simples                                         (    ) nervoso
( G )grande                                          (    ) idoso
( H)dia                                                  (    )saudável
9) Copie do texto as palavras com:
Acento agudo
Circunflexo
Til

10) Escreva 10 palavras com RR e 10 com R.
11) Desenhe a raposa comendo no prato  e a cegonha comendo no jarro.Ajude as personagens a se alimentarem. Não esqueça de pintar bem colorido.

                                                             A GALINHA DOS OVOS DE OURO
                                                 Esopo

Certa manhã, um fazendeiro descobriu que sua galinha tinha posto um ovo de ouro. Apanhou o ovo, correu para casa, mostrou-o à mulher, dizendo:
_ Veja! Estamos ricos!
Levou o ovo ao mercado e vendeu-o por um bom preço.
Na manhã seguinte, a galinha pôs outro ovo de ouro, que o fazendeiro vendeu a melhor preço. E assim aconteceu durante muitos dias. Mas, quanto mais rico ficava o fazendeiro, mais dinheiro queria. E pensou:
"Se esta galinha põe ovos de ouro, dentro dela deve haver um tesouro!"
Matou a galinha e, por dentro, ela era igual a qualquer outra.
Moral: Quem tudo quer tudo perde.
Atividades
1) Responda:
a) Qual é o titulo?
b) Quantos parágrafos possuem no texto?
c)Quem é o autor?
d) Copie do texto uma frase exclamativa.
e) Qual é a moral da história?

2) Marque X no quadradinho correto.

a) Este texto é:
(    ) um conto de fadas      (    ) uma fábula

b) Certa manhã, um fazendeiro descobriu que sua galinha tinha posto
(    ) um ovo de ouro           (    ) um ovo com gema

c) O fazendeiro vendia os ovos no
(    )  Shopping      (    ) mercado        (    )loja

3) Dê o plural das palavras
Fazendeiro                                          galinha
Ovo                                                       tesouro
Mulher                                                 rico
Dia                                                         camponês

4) Dê o diminutivo das palavras.
Amigo                                                    macaco
Coelho                                                   porco
Loja                                                        mercado
Menino                                                  ovo
Planta                                                     flor
Arvore                                                   mala
Sapato                                                    gato
Cachorro                                               caneta

5) um substantivo próprio
a) Nome de sua professora___________
b) Da cidade que mora______________
c) Da Escola que estuda______________
d) Do estado em que mora___________
e) Do país em que vive_______________

6) Numere a segunda coluna de acordo com antônimo das palavras corretamente.
( 1 )Aproximar                                     (    )baixo              
( 2 )Confiar                                          (    ) em baixo
( 3 )Perto                                              (    ) grande
( 4 )Pequeno                                        (    )feio
( 5 )Ajudar                                            (    ) distancia
( 6 )Em cima                                         (    ) desconfiar
( 7 )Bonito                                            (    ) longe
( 8 )Alto                                                (    )não ajudar


                                               O Cão e o Osso
                                                                   Esopo
          Um dia, um cão ia atravessando uma ponte, carregando um osso na boca.
          Olhando para baixo, viu sua própria imagem refletida na água. Pensando ver outro cão, cobiçou-lhe logo o osso e pôs-se a latir. Mal, porém, abriu a boca, seu próprio osso caiu na água e se perdeu para sempre.
Moral: Nunca deixes o certo pelo duvidoso. De todas as fraquezas humanas a cobiça é a mais comum, e é todavia a mais castigada.
Atividades
1)   Que tipo de texto é esse?
2)   O que é uma fábula?
3)   Qual é o titulo do texto?
4)   Quantos parágrafos possuem no texto?
5)   Qual é a moral da história?
6)   O que o cão estava carregando na boca?
7)   O que ele viu ao olhar para a água?
8)   O que ele cobiçou?
9)   O que aconteceu com o osso quando ele abriu a boca?
10)               Escreva dez palavras com SS e 10 com ç.
11)               Transforma essa fábula em uma história em quadrinhos. Apenas usando imagens.Seja criativo.



                                                         SE O MUNDO FOSSE MEU

Ah! Se esta rua fosse minha ... eu não mandaria ladrilhar, mas trabalharia bem o solo para o carro passar, para as crianças brincar e a água escoar.
Se o rio fosse meu... suas águas seriam limpas, claras, eu não deixaria poluir, lixo seria jogado, esgoto no lugar certo e os peixes sempre por perto.
Se a mata fosse minha... só os pássaros poderiam construir, árvores não seriam derrubadas, não haveria queimadas e tudo seria mais feliz.
Se o mundo fosse meu... não haveria lágrimas e nem sofrimento, os animais seriam livres, os rios não teriam poluição, não haveria choro nem lamento, e o melhor lugar para se pisar, seria o chão! Benedita Aparecida C. dos Reis.

1) De acordo com o texto “Se o mundo fosse meu” quais são os recurso naturais que estão sendo poluídos:
(A) Solo, água, ar, fauna e flora.
(B) Rua, carro, lixo e água.
(C) Chão, esgoto, poluição e árvore.
(D) Queimadas, derrubadas, pássaro e ar.

2) Assinale a alternativa correta, referente ao texto:
(A)Contribuir para o progresso.
(B)Construir pontes, viadutos e estradas.
(C)Cuidar das matas, dos rios, animais.
(D) Soltar balões, matar pássaros.

3) Podemos dizer Não haveria lagrimas nem sofrimentos . Você diria que esta mensagem pretende:
(A) não destruir o mundo e pensar no nosso futuro
(B) pessoas que são sentimentos
(C)pessoas que gostam de aproveitar a vida
(D) destruir o mundo e não pensar no futuro



O MACACO E O COELHO

Um macaco e um coelho fizeram a combinação de um matar as borboletas e outro matar as cobras. Logo depois o coelho dormiu.
O macaco veio e puxou-lhe as orelhas.
_ O que é isso? Gritou o coelho, acordou num pulo.
O macaco deu uma risada.
_ -- Ah! Ah! Pensei que fossem duas borboletas...

O coelho danou com a brincadeira e disse lá consigo “Espere que te curo”.
Logo depois o macaco sentou-se numa pedra para comer uma banana. O coelho veio por trás com um pau, e lept! – pregou- lhe uma grande paulada no rabo. O macaco deu um berro, pulando para cima duma árvore.
Desculpe amigo – disse lá debaixo o coelho. _ Vi aquele rabo torcidinho entre as pedras e pensei que fosse uma cobra.
Foi desde ai que o coelho, de medo do macaco vingar – se passou a morar nos buracos.

1) O trato que o macaco e o coelho fizeram foi que:
(A) Os dois matariam as borboletas e as cobras.
(B) Um mataria as borboletas e outro mataria as cobras
(C) O coelho mataria as borboletas quando o macaco mandasse
(D) O macaco mataria as cobras, com a ajuda do coelho

2) O coelho, com medo de vingança do macaco, passou então a morar.
(A) Com outros animais.
(B) Com a cobra e a borboleta.
(C) Em tocas.
(D) Na copa das árvores.

3) No texto, a frase ---Ah! Ah! Pensei que fossem duas borboletas..., é dita
(A) Pelos dois personagens
(B) Pelo coelho
(C) Pelo narrador
(D) Pelo macaco

4) Podemos afirmar que a historia O macaco e o coelho:
(A) Aconteceu no passado e em uma floresta.
(B) Aconteceu no presente e em um buraco.
(C) Aconteceu no passado e em uma cidade.
(D) Aconteceu no presente em um lugar indefinido.

5) No texto, o narrador:
(A) Dá informação sobre os macacos e coelhos.
(B) Conta uma história.
(C) Participa como personagens da história.
(D) Dá uma opinião sobre o comportamento dos animais.

6) Em O Coelho danou com a brincadeira e disse lá consigo:
Espere que te curo – a palavra grifada dá idéia que o coelho
(A) Espera que o macaco se desculpe.
(B) Quer ser amigo do macaco.
(C) Vai curar o macaco de uma doença.
(D) Vai vingar-se pelo que o macaco fez

Receita de Brigadeiro

Ingredientes:

1 lata de leite condensado
4 colheres de sopa de chocolate em pó
1 colher de sopa ( cheia ) de manteiga

Modo de fazer:
Misture todos os ingredientes numa panela e ponha para ferver, em fogo brando. O ideal
é mexer sempre, com uma colher de pau .Deixe ferver até ele começar a desgrudar do fundo
da panela. Quando estiver no ponto, despeje em uma vasilha rasa, par esfriar. Depois de frio, enrole os brigadeiros. Para facilitar, passe um pouco de manteiga na mão. Por fim, passe no chocolate granulado.


1-) Ingredientes são:
(A) Os produtos usados para fazer a receita.
(B) O modo de preparar as receitas.
(C) As pessoas que fazem a receita.
(D) Os livros de receita.


2-) A primeira coisa a fazer ao preparar a receita é :
(A) Mexer com a colher de pau.
(B) Colocar todos os ingredientes na panela e levar ao fogo.
(C) Despejar numa vasilha para esfriar.
(D) Passar chocolate granulado.


3-) De acordo com a receita devemos enrolar os brigadeiros somente quando a massa estiver:
(A) Quente.
(B) Na manteiga.
(C) No fundo da panela.
(D) Fria.

A raposa e as Uvas

Uma raposa passou por baixo de uma parreira carregada de uvas. Ficou logo com muita vontade de apanhar as uvas para comer.
Deu muitos saltos, tentou subir na parreira, mas não conseguiu.
Depois de muito tentar foi-se embora, dizendo:
- Eu nem estou ligando para as uvas. Elas estão verdes mesmo...

                                     Ruth Rocha. Fábulas de Esopo, São Paulo, FTD,1992.



1- No texto acima, a expressão grifada SE substituiu:

a) a raposa
b) as uvas
c) a parreira
d) Ruth Rocha



2- Quem é a autora do texto?

a) A raposa
b) São Paulo
c) FTD
d) Ruth Rocha


Venha logo me visitar. Você vai ver que lindas praias temos no litoral de São Paulo.



3- De onde foi copiada esta frase?

a) anúncio
b) carta
c) jornal
d) livro



Naquela tarde, que estava chuvosa, saí com um vestido, que era vermelho, para visitar meu amigo, que estava resfriado. Na praça, que fica perto do cinema, encontrei minha tia, que ficou contente de me ver.


4- A que se refere a palavra que sublinhada no texto?

a) amigo resfriado
b) tarde chuvosa
c) tia contente
d) vestido vermelho


Querido Marcelo,

Parabéns por estar estudando mais. As suas notas até já melhoraram! Gostaria que, agora, você aumentasse um pouco o tamanho da sua letra. Ás vezes, fica difícil ler o que escreve de tão pequeno.

Um beijo da Professora Tereza


5- A palavra difícil no texto, tem o mesmo sentido que:

a) perigoso
b) improvável
c) complicado
d) desfavorável

Lúcia saiu de casa toda prosa, com seus sapatos novos. Estava se sentido uma princesa, com aqueles sapatinhos brancos! De repente... BRUM! Um trovão e, logo, logo, a maior chuva! “Meus sapatos!” Pensou ela, apavorada. Mas teve uma idéia: tirou os sapatos, escondeu-os embaixo do braço e seguiu seu caminho, descalça, brincando nas poças d’água.


6- Que solução Lúcia encontrou?

a) Esconder-se da chuva
b) Esperar a chuva passar
c) Limpar os sapatos novos
d) Tirar os sapatos novos



Valmir estava lendo uma revista e encontrou uma palavra que não conhecia.



7- Onde ele foi procurar o significado?

a) Atlas
b) Dicionário
c) Enciclopédia
d) Lista telefônica



Carmem pôs a sopa no prato de Carlinhos e ele reclamou:
- Sopa de novo? Esta casa parece um hospital...


8- O que Carlinhos quis dizer?

a) Ele não gosta de hospital
b) O prato está muito cheio
c) Sopa é comida de doente
d) Ninguém gosta de sopa.


Se eu fosse tomate

Se eu fosse um tomate ia ser duro, porque, sinceramente odeio tomate.
A pior coisa da vida, pior que chuva nas férias, nota baixa ou ser pego em flagrante, e a gente não gostar da gente mesmo.


9- Para o menino, qual é a pior coisa da vida:

a) nota baixa
b) não gostar da gente mesmo
c) ser pego em flagrante
d) chuva nas férias



Numa viagem de carro de São Paulo a Brasília, a gente atravessa os Estados de São Paulo, Minas Gerais e Goiás, até chegar ao Distrito Federal. Pode-se passar umas horas divertidas em Araxá, Minas Gerais, que tem um balneário muito interessante. Em Ribeirão Preto, São Paulo, vale a pena conhecer o Parque da Cidade. A cidade de Cristalina, em Goiás, tem pedras semi-preciosas de todas as cores.



10- Onde fica o Parque da Cidade?

a) Distrito Federal
b) Goiás
c) Minas Gerais
d) São Paulo.





Muita gente acredita que faz mal comer manga com leite. Há muito tempo essa crença passa de pais para filhos. Mas o médicos afirmam que não há problema, pois essa mistura nunca faz mal.



11- Qual a opinião dos médicos?

a) Essa mistura nunca faz mal.
b) Há tempo as pessoas pensam assim.
c) Manga com leite faz mal.
d) Muita gente acredita que faz mal.



O Trem de Ferro

O dono da fazenda estava na rede na varanda de casa, quando veio um carro buzinando, calmamente ele foi abrir o portão e desceram os engenheiros.
- Viemos informar que a nova ferrovia vai passar dentro de sua fazenda. Disse um dos engenheiros.
- Ferr... o que, moço?
- Ferrovia... o trem de ferro!- Repetiu o engenheiro.
- O senhor ta dizendo que o trem vai passar aqui dentro da minha fazenda?
- Exatamente.
Então, calmamente o fazendeiro disse:
- Olha aqui moço. Se o trem quiser vir, pode vir. Mas se ta achando que, todo dia, eu vou abrir a porteira pra ele passar , ta muito enganado.

                                       Ziraldo, anedotinhas do Bicho da Maça São Paulo:Melhoramentos.



12 – Os engenheiros chegaram à fazenda para informar ao dono que:

a) Eles eram os novos donos da fazenda
b) O trem de ferro passaria dentro da fazenda dele
c) Ele precisaria abrir a porteira todos os dias
d) A ferrovia queria comprar sua fazenda



13 – Quem é Ziraldo?

a) O dono da fazenda
b) O engenheiro
c) O autor do texto
d) O dono da ferrovia



 Joãozinho se queixou à mãe:


- Mãe, tem um percevejo na parede.
- Cale a boca, João. E não é percevejo. É prego.
- Mãe, tem um percevejo na parede.
- Não amole. Já disse que é um prego.
- Mãe... tem um prego andando na parede.

14 – A anedota poderia fazer parte de um livro que tivesse como objetivo:

a) Oferecer ao leitor textos curtos e divertidos
b) Explicar como é possível um prego andar na parede
c) Informar sobre fatos que aconteceram de verdade
d) incentivar a coleção de pregos



O urubu chegou para o sapo e disse:
- Vai ter festa no céu.
O sapo abriu o bocão e falou:
- Oooooooooooooobaaaa!!!!!

15 – O que indica as exclamações?

a) Alegria
b) susto
c) Dúvida
d) Tristeza



São Paulo, 10 de junho de 1997.

Elisa

Estamos morrendo de saudades de você. Justo agora que você se mudou pra tão longe, o pessoal da rua inventou uma que você ia gostar.
Sabe o Jorginho, A mãe dele deixou a gente brincar no porão da casa dele.
Pena que você não está aqui! Quem sabe a sua mãe traz você no sábado. Você podia dormir em casa. De Itaquera até aqui é longe mas acho que dá. Vocês vêm de ônibus, não é? Faz uma força.
Dá uma resposta pra gente. Todo mundo ta mandando um beijão pra você.

Antonia


16- Esse texto é:

a) um anúncio
b) uma propaganda
c) uma carta
d) uma história



As faixas de segurança para pedestre são pintadas no asfalto e indicam por onde as pessoas devem atravessar a rua. Os motoristas devem parar o carro antes das faixas.

17- No texto acima, a palavra pedestre quer dizer:

a) Pessoas que dirigem carro
b) Pessoas que andam pela rua a pé
c) Pessoas descalças
d) Pessoas que pintam faixas de segurança.
Marque um (X) na resposta certa:

Texto 1:  O mistério que envolve o voo da Air France que desapareceu após decolar do Rio de Janeiro no último domingo (31) continua, enquanto autoridades prosseguem com as buscas em alto mar. O avião sumiu dos radares depois de sofrer uma pane após atravessar uma área de turbulência. Havia 228 pessoas a bordo. Objetos localizados no Atlântico podem ser destroços da aeronave, mas ainda não é possível confirmar esse dado, diz a Aeronáutica. 



1 – Este é um texto

(A) Humorístico
(B) Informativo
(C) Narrativo
(D) poético

2 – O texto foi retirado

(A) do jornal
(B) da revista
(C) do rádio
(D) da internet



3 –  O assunto principal do texto é

(A) Os objetos encontrados no Atlântico.
(B) O avião da AIR FRANCE
(C) O desaparecimento do avião que decolou do Rio de Janeiro.
(D) As turbulências que ocorrem durantes os voos.




4 - No texto a palavra TURBULÊNCIA significa

(A) desatenção
(B) sossego
(C) agitação
(D) calmaria

5 - No texto a palavra PANE significa

(A) refeição servida no avião.
(B) problemas mecânicos no avião.
(C) procedimento comum nos voos.
(D) aterrissagem imediata.



6 –  Atlântico é

(A) Um continente da Terra.
(B) O maior rio do Brasil.
(C) Uma lagoa no meio do oceano.
(D) O oceano que banha as terras brasileiras.
                              Texto – A Galinha  Ruiva
      Era uma vez uma galinha ruiva que morava com os seus pintainhos num sitio.
     Um dia, mamãe galinha observou que o milho estava bom para colher, moer, peneirar e depois fazer um delicioso bolo.
     Pôr isso, resolveu chamar seus amigos para ajuda-la, pois seus filhotes eram muito pequenos para o trabalho. primeiro pediu  ao gato, ele disse que estava cansado e precisava dormir um pouco.
     Depois, mamãe galinha falou com o senhor porco, mas quando soube o que era para fazer, ele disse que precisava arrumar o seu chiqueiro.
     Então, mamãe galinha pediu ajuda ao pato.  ao saber do trabalho, ele também desculpou-se e não foi ajudar a galinha ruiva.
Sozinha nesta tarefa, mamãe galinha colheu o milho, tirou a palha, moeu o milho, peneirou a farinha e , então, seguiu para para casa.  Agora sim ele poderia preparar um delicioso bolo para seus pintinhos.
quando o bolo estava assado, o aroma foi longe e atraiu o gato, o porco e o pato, que ficaram esperando para comer um pedaço.
       Ao tirar o bolo do formo, mamãe galinha disse que todo trabalho tinha sido dela e, pôr isso, iria comer o bolo sozinha com seus filhotes.
     Sem trabalho não há recompensa, e eles prometeram ajuda-la quando precisassem deles outra vez.

Moral da historia -  ‘’ Esta história ensina-nos que o trabalho e a cooperação ajudam-nos a alcançar aquilo que queremos.’’
                                        (Fonte – Clássicos Eternos das virtudes)   

                                   Atividades

1 – Responda as perguntas de acordo com  o texto da história a “A Galinha Ruiva

a)   Quais  foram os animais que se negou em ajudar a galinha ruiva? Coloque o nome de cada um deles.
b)   Qual foi a desculpa que o porco deu para a galinha? Escreva o que ele falou.
c)   O que a galinha ruiva queria fazer e precisava de ajuda?
d)    Pôr que os seus pintinhos não poderiam ajudar ela?
e)   Qual foi a desculpa do gato para não ajudar a galinha?
f)     O que a galinha preparou após muito trabalho?
g)   Você acha justo  o pato, o porco e gato querem comer um pedaço do bolo após ter negado ajuda para a galinha? Responda  com suas palavras o que o que você pensa.
h)   Você nega ajuda quando alguém pede para ajuda-lo? Responda com suas palavras o que você faz.
i)     Qual a moral da história?
interpretação de texto
O dia da ventania

A onça andava louca para devorar o coelho.
Mestre coelho, que era muito esperto, imaginou um plano para acabar com a perseguição.Viu que a onça se aproximava e começou o seu planinho. Pegou o facão e pôs-se a juntar cipós, apressado e ansioso.
A onça achou aquilo muito estranho e perguntou:
_ Para que tanto cipó, mestre coelho?
_ Pois não sabe comadre onça? Acontece que Tupã está furioso com todos os bichos da floresta e vai mandar um castigo terrível! Logo mais começa o Dia da Ventania Final!
_ Dia da Ventania Final?! _ espantou-se a onça._ O que é isso?
_ É que vai ventar como nunca antes ventou no mundo. Vai ventar tanto que nenhum bicho vai conseguir ficar de pé na terra. Vai tudo pelos ares!
_Que horror! _ horrorizou-se a burra da onça._ E o que é que se pode fazer?
_Quem não for bobo tem de pedir para alguém amarrá-lo bem amarrado numa árvore bem grossa. Eu estou juntando esses cipós aqui e vou correndo para casa amarrar todos os meus filhinhos.
A onça estava apavorada:
_Me ajude, amigo coelho! Não quero ser levada pela ventania. Me amarre primeiro!
_Desculpe , comadre onça, mas não posso.Tenho de ir correndo pra casa e amarrar meus filhinhos.
_ Não faça isso comigo, compadre coelho, por favor! Me amarre!
A onça tanto insistiu que o coelho, depois de fingir que recusava , acabou concordando, Amarrou a danada da onça muito bem amarrada, com uma porção de cipós, na árvore mais forte da floresta!
E foi feliz para casa, deixando a burra da onça muito bem amarradinha e muito satisfeita, a espera da ventania que nunca haveria de aparecer...

Pedro Bandeira. O dia da ventania. São Paulo.SEED editorial,2001.

Conhecendo o texto

1.      O coelho elaborou um plano porque tinha um problema com a onça. Qual era esse problema?
________________________________________________________________________________________________________________________________
2.      Qual era o plano?
________________________________________________________________________________________________________________________________
3.      Segundo o coelho, quem estava furioso com os bichos e o que ia acontecer?
________________________________________________________________________________________________________________________________
4.      De quantos parágrafos o texto é formado?
________________________________________________________________
5.      Qual o sinal de pontuação que inicia o  quarto parágrafo? Para que serve?
________________________________________________________________________________________________________________________________


6.       Qual o sinal de pontuação que termina o quarto parágrafo? Para que serve?
________________________________________________________________________________________________________________________________
7.      O plano do coelho deu certo? Por que?
________________________________________________________________________________________________________________________________
8.      Dê um outro título para o texto.
________________________________________________________________
9.      O texto conta que mestre coelho era muito esperto e que a onça era “burra”.Vocês concordam? Por quê?
________________________________________________________________________________________________________________________________
A Tigela de Madeira
Um senhor de idade foi morar com seu filho, nora e o netinho de quatro anos de idade. As mãos do velho eram trêmulas, sua visão embaçada e seus passos vacilantes. A família comia reunida à mesa. 
           Mas, as mãos trêmulas e a visão falha do avô o atrapalhavam na hora de comer. Ervilhas rolavam de sua colher e caíam no chão. Quando pegava o copo, leite era derramado na toalha da mesa.
 
           O filho e a nora irritaram-se com a bagunça. - "Precisamos tomar uma providência com respeito ao papai", disse o filho. - "Já tivemos suficiente leite derramado, barulho de gente comendo com a boca aberta e comida pelo chão."
 
           Então, eles decidiram colocar uma pequena mesa num cantinho da cozinha. Ali, o avô comia sozinho enquanto o restante da família fazia as refeições à mesa, com satisfação. Desde que o velho quebrara um ou dois pratos, sua comida agora era servida numa tigela de madeira.
 
           Quando a família olhava para o avô sentado ali sozinho, às vezes ele tinha lágrimas em seus olhos. Mesmo assim, as únicas palavras que lhe diziam eram admoestações ásperas quando ele deixava um talher ou comida cair ao chão.
 
           O menino de 4 anos de idade assistia a tudo em silêncio.
 
           Uma noite, antes do jantar, o pai percebeu que o filho pequeno estava no chão, manuseando pedaços de madeira. Ele perguntou delicadamente à criança:
 
           - "O que você está fazendo?"
 
               O menino respondeu docemente:
 
            - "Oh, estou fazendo uma tigela para você e mamãe comerem, quando eu crescer"
 
            O garoto de quatro anos de idade sorriu e voltou ao trabalho. Aquelas palavras tiveram um impacto tão grande nos pais que eles ficaram mudos. Então lágrimas começaram a escorrer de seus olhos.
 
               Embora ninguém tivesse falado nada, ambos sabiam o que precisava ser feito.Naquela noite o pai tomou o avô pelas mãos e gentilmente conduziu-o à mesa da família.
 
               Dali para frente e até o final de seus dias ele comeu todas as refeições com a família. E por alguma razão, o marido e a esposa não
se importavam mais quando um garfo caía, leite era derramado ou a toalha da mesa sujava. 


 Compreendendo o texto
1.       Qual o título do texto?
_______________________________________________________________________
2.       Quais são os personagens da história?
______________________________________________________________________
3.       Os sinais da idade já prejudicavam aquele senhor. Copie do texto a parte que mostra como eram  as suas mãos, e os seus passos, e o que acontecia quando ele ia comer:
____________________________________________________________________________________________________________________________________________
4.        O que diziam o filho e a nora com aquele pobre senhor?
____________________________________________________________________________________________________________________________________________

5.       O que eles resolveram então fazer com ele para que ele não se sentasse mais  à mesa?
____________________________________________________________________________________________________________________________________________

6.       Numere os parágrafos e retire do sexto parágrafo, duas palavras que você não conhece, e copie-as abaixo, junto ao seu significado:
____________________________________________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________________________________________

7.       .O menino, assistia a tudo quieto, um dia  o pai o perguntou o que ele tanto fazia. Qual foi sua resposta?
______________________________________________________________________

8.       A partir desse dia qual foi a decisão tomada por aquele casal?
____________________________________________________________________________________________________________________________________________
9.       Qual a moral da história?
______________________________________________________________________
JOÃO E MARIA:



--- Quem são vocês?
O Menino respondeu:
--- Eu sou o João. Ela é a Maria.
O rei sorriu, simpático, e brincou:
--- Não me digam que são aquelas crianças da história.
Mas eles nem conheciam e perguntaram:
--- Que história?
--- O rei explicou:
--- João e Maria eram dois irmãos que viviam, numa cabana de lenhador, com os pais.
Um dia, como tinha acabado toda
a comida e todo o dinheiro, os pais resolveram largar os filhos bem longe, no meio da floresta, para ver se eles não morriam de fome em casa e se arranjavam algumas coisas para comer.
Aí foi a vez de Maria explicar:
--- Não, moço, quer dizer, majestade... A gente não morava numa cabana de lenhador. E lá em casa, quando acabou toda a comida e todo o dinheiro, os nossos pais largaram a gente na estrada mesmo.

Ana Maria Machado.



                15. O personagem que fez a primeira pergunta do texto foi:


(A) João.
(B) Maria.
(c) O rei.
(D) O lenhador.
(E) Ana Maria Machado.
(F) Pai.



                16. O motivo que levou os pais de João e Maria, a larga-los na floresta foi ter acabado...


(A) A comida.
(B) A comida e o dinheiro
(c) O dinheiro.
(D) A comida e a paciência.
(E) O dinheiro e a esperança.
(F) Com o serviço.



                17. O motivo que levou o rei a pensar que as crianças eram as mesmas da história foi:


(A) Terem o mesmo nome.
(B) Serem irmãos gêmeos.
(c) Serem muito parecidos.
(D) Terem os cabelos pretos.
(E) Falarem em um idioma estrangeiro
(F) Andarem de um jeito estranho



               


                Era a Chapeuzinho Amarelo.
                Amarelada de medo.
                Tinha medo de tudo,aquela chapeuzinho.
                Já não ria. Em festa não aparecia.(...)
                Ouvia conto de fada e estremecia.(...)
                Tinha medo de trovão.
                Minhoca,pra ela,era cobra.
                E nunca apanhava sol, porque tinha medo de sombra.(...)
                Não ficava em pé com medo de cair.
                Então vivia parada, deitada ,mas sem dormir, com medo de pesadelo.
                Era a chapeuzinho amarelo.
                E de todos os medos que tinha o medo mais que medonho era o medo do tal do LOBO. Um LOBO que nunca se via, que morava lá pra longe, do outro lado da montanha, num buraco da Alemanha.(...) Chapeuzinho Amarelo, de tanto pensar no LOBO, um dia topou com ele. Mas o engraçado é que, assim que encontrou o LOBO, a Chapeuzinho Amarelo foi perdendo o medo; aquele medo, o medo do medo de ter medo, se um dia encontrasse um LOBO. Depois acabou o medo e ela ficou só com o lobo. O lobo ficou chateado e gritou:
                - Sou um lobo!
                Mas a Chapeuzinho, nada. Ele então gritou bem forte aquele seu nome de LOBO várias vezes:
                - LO B0 LO B0 LO B0 LO B0 LO B0 LO B0 LO B0 LO B0 LO BO!!
                Aí ela se encheu e disse:
                - Para assim! Agora! Já! Do jeito que você está!
                E o lobo parado assim – do jeito que o lobo estava – já não era mais um LO – BO . Era um BO – LO. Um bolo de lobo – fofo, tremendo que nem pudim, com medo dela. (...)

(Chico Buarque. Chapeuzinho Amarelo. Rio de Janeiro, José Olympio, 1997.)


Interpretação do texto

1) Quais são os personagens do texto?

____________________________________________________________
2)  O personagem principal, em sua opinião, era feliz ou infeliz? Por quê?

_______________________________________________________________

3) A menina era muito medrosa e isso fazia com que ela visse coisas que não existiam. Retire do texto dois casos em que você percebe que ela é muito medrosa.

_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
4) Qual foi a reação de Chapeuzinho Amarelo diante de seu maior medo?

___________________________________________________________
5) Chapeuzinho resolveu seu problema de medo? Como?

_________________________________________________________
QUAL É A HISTÓRIA?

* ESTES SÃO TRECHOS DAS HISTÓRIAS PREFERIDAS DO MATERNAL II. A PROFESSORA LERÁ CADA UM DELES, DEPOIS QUE VOCÊ DESCOBRIRQUAL É A HISTÓRIA, PROCURE O TÍTULO ABAIXO E PINTE-O.

... NENHUMA OUTRA SERÁ MINHA ESPOSA A NÃO SER AQUELA CUJO PÉ COUBER ESTE SAPATINHO DE CRISTAL!




A BELA E A FERA

CINDERELA

JOÃO E MARIA



...”ESPELHO, ESPELHO MEU, EXISTE ALGUÉM MAIS BELA DO QUE EU?”




PINÓQUIO

O PATINHO FEIO

BRANCA DE NEVE



... QUANDO CHEGARAM PERTO, VIRAM QUE A CASINHA ERA FEITA DE PÃO E COBERTA DE BOLO, E AS JANELAS ERAM DE AÇÚCAR TRANSPARENTE.




JOÃO E MARIA

BRANCA DE NEVE

A BELA E A FERA



...”QUERO SER UM MENINO DE VERDADE!”




CINDERELA

PINÓQUIO

O PATINHO FEIO



...”COMO ELE É FEIO, NÃO SE PARECE NADA COM SUA MÃE!”




O PATINHO FEIO

A BELA E A FERA

BRANCA DE NEVE

JOÃO  E  MARIA  -  HAJA  DOCE!

                        DEPOIS  DE  PASSAR  ALGUNS  DIAS  NA  CASA  DE  DOCES,  JOÃO  E  MARIA    TINHAM  PROVADO  TODOS  OS  DOCES  QUE  CONHECIAM  E  OS  QUE  NUNCA  TINHAM  VISTO  TAMBÉM.
VAMOS  VER  SE  VOCÊ  CONHECE  BEM  ALIMENTOS  DOCES.
ESCREVA  UMA  LISTA  DE  TODOS  OS  DOCES  QUE  VOCÊ  CONHECE:



________________________
________________________
________________________
________________________
________________________
________________________
________________________
________________________
________________________
________________________
________________________
________________________
________________________
________________________
________________________
________________________
________________________
________________________
________________________
________________________
________________________
________________________
________________________

BRANCA DE NEVE
        ERA UMA VEZ UMA LINDA MOÇA CHAMADA BRANCA DE NEVE. QUANDO SEU PAI MORREU, ELA PASSOU A VIVER COM SUA MADRASTA.
        UM DIA, SUA MADRASTA PERGUNTOU A UM ESPELHO MÁGICO:
       _ESPELHO, ESPELHO MEU EXISTE ALGUÉM MAIS BELA DO QUE EU?
       _NÃO MINHA SENHORA, ÉS A MAIS BELA DO MUNDO! _ DIZIA O ESPELHO.
       ATÉ QUE UM DIA ESPELHO DISSE QUE A MAIS BELA ERA BRANCA DE NEVE. A MADRASTA ENFURECIDA, MANDOU UM CAÇADOR PROCURAR E MATAR BRANCA DE NEVE NA FLORESTA. AO ENCONTRÁ-LA O CAÇADOR PEDIU QUE FUGISSE PARA BEM LONGE.
       DE REPENTE, BRANCA DE NEVE ENCONTROU UMA CASINHA, ENTROU E VIU QUE TUDO ERA PEQUENO, JUNTOU DUAS CAMAS E DEITOU-SE. AO ANOITECER APARECERAM SETE ANÕES QUE ENTRARAM NA CASINHA E ENCONTRARAM BRANCA DE NEVE DORMINDO. QUANDO ELA ACORDOU VIU OS SETE ANÕES, ENTÃO ELA CONTOU SUA TRISTE HISTÓRIA E OS SETE ANÕES PASSARAM A CUIDAR DELA.
       UM DIA, A MADRASTA DESCOBRIU QUE BRANCA DE NEVE NÃO TINHA MORRIDO E QUE O CAÇADOR HAVIA LHE DADO UM CORAÇÃO DE PORCO AO INVÉS DO CORAÇÃO DA BRANCA DE NEVE.ELA SE DISFARÇOU DE VELHINHA, FOI ATÉ A FLORESTA E OFERECEU UMA MAÇÃ ENVENENADA PARA BRANCA DE NEVE. ELA MORDEU A MAÇÃ E ADORMECEU. OS ANÕES COLOCARAM BRANCA DE NEVE EM UM CAIXÃO DE CRISTAL.
      CERTO DIA,PASSANDO UM PRÍNCIPE NA FLORESTA, VIU BRANCA DE NEVE DORMINDO, SE APAIXONOU. ELE RESOLVEU DAR-LHE UM BEIJO DE AMOR. BRANCA DE NEVE ACORDOU O ENCANTO FOI DESFEITO. ELES SE CASARAM E FORAM FELIZES PARA SEMPRE.
VOCÊ CONHECE BEM OS CONTOS DE FADAS?

1- O Patinho Feio na verdade é um:
a) Galo
b) Cisne
c) Tucano

2- Quando escala o pé de feijão em seu quintal, João descobre:
a) uma plantação de feijões
b) um tesouro de outro planeta
c) a casa de um gigante

3- De que era feita a casa da bruxa onde foram aprisionados João e Maria?
a) de pirulitos, balas e bolachas
b) de tijolos e madeira
c) de farinha e água

4- O que acorda a Bela Adormecida?
a) um banho de água fria
b) o beijo de um príncipe
c) o despertador

5- Muitos contos de fadas começam com a frase:
a) Logo de manhã...
b) E eles viveram felizes para sempre.
c) Era uma vez

6- Quando sai apressada do baile, Cinderela perde?
a) a bolsa
b) um sapato
c) um brinco

7- Peter Pan e a fada Sininho vivem em um lugar chamado:
a) Terra Mágica
b) País das Maravilhas
c) Terra do Nunca

8- Na história dos Três Porquinhos, eles constroem suas casas com:
a) palha, madeira e tijolos
b) flores, palha, e tijolos
c) cimento, tijolos e palha

9- O que está na cesta de Chapeuzinho Vermelho?
a) doces para sua avó
b) flores para sua mãe
c) um livro de receitas para o lobo

10- A criatura de A Bela e a Fera na verdade é:
a) um sapo
b) um príncipe
c) uma bruxa

11- Quando a Rainha Má pergunta ao espelho mágico quem é a mais bela de todas, ele responde:
a) Branca de Neve
b) Cinderela
c) Os sete anões

12- Os longos cabelos de linda Rapunzel serviram para:
a) fazer muitas perucas para vender
b) fazer lindas tranças douradas
c) ajudar um príncipe a subir até o alto da torre do castelo.

VEJA O RESULTADO:
De 0 a 5 respostas certas
Você até gosta de ler e ouvir contos de fadas, mas talvez não preste atenção aos detalhes. Fique ligado nas histórias para saber mais sobre o assunto.

De 6 a 8 respostas certas
Você sabe muito sobre histórias mágicas, só não conhece todos os contos. Procure outras histórias legais para ser fera no assunto.

De 9 a 12 respostas certas
UAU! Você entende tanto de histórias de bruxas, princesas e encantamentos que já pode até escrever um conto de fadas. Experimente juntar essas idéias e fazer sua própria história! 

O LEÃO E O RATO


            Uma vez, quando o leão estava dormindo, um ratinho pôs-se a passear em suas costas. Isso logo acordou o leão, que segurou o bichinho com sua enorme pata e abriu a boca enorme para engolí-lo.
            - Perdão, rei dos animais  - gritou o ratinho - Deixe-me ir, não o importunarei mais. Quem sabe se um dia não conseguirei pagar-lhe este favor?
            O leão riu-se muito, ao pensar na possibilidade de o ratinho ajudá-lo em alguma coisa. Afinal, soltou-o.
            Algum tempo depois, o leão caiu numa armadilha. Os caçadores, que desejavam levá-lo vivo ao rei, amarraram-no numa árvore, enquanto iam providenciar uma carroça para transportá-lo. Nesse momento, apareceu o ratinho. Vendo o apuro em que se encontrava o leão, lembrou-se de sua promessa e, num instante, roeu as cordas que o prendiam à árvore.
            - Eu não disse que talvez um dia pudesse ajudá-lo? - lembrou o rato.

Moral: Amigos pequenos podem ser grandes nos momentos difíceis

RESPONDA:

1-  Qual é o título da história?
_______________________________
2- Por que o ratinho ficou com medo quando o leão acordou?
_______________________________
3- Porque o leão não comeu o ratinho?
_______________________________
4- O  que aconteceu com o leão algum tempo depois que encontrou o ratinho?
_______________________________
5- Quais foram as pessoas responsáveis pela armadilha em que o leão ficou preso?
______________________________
6- Como o ratinho ajudou o leão?
_____________________________
7-Se o ratinho não ajudasse o leão a se soltar das cordas ,como terminaria a história?
__________________________________
8- Qual é a moral desta fábula?
______________________________________
9-Como você entendeu a moral da fábula?
_____________________________________
10-Faça um desenho do texto.

O Lobo e o Cordeiro

 Esopo


            Um lobo estava bebendo água num riacho.
            Um cordeirinho chegou e também começou a beber um pouco mais para baixo.
            O lobo arreganhou os dentes e disse ao cordeiro:
            _  Como é que você tem a ousadia de vir sujar a água que eu estou bebendo?
            _  Como sujar ? _ respondeu o cordeiro. _ A água corre daí para cá , logo eu não posso estar sujando a sua água.
            _ Não me responda! _ tornou o lobo furioso._ Há seis meses seu pai me fez a mesma coisa !
            _ Há seis meses eu nem tinha nascido, como é que eu posso ter culpa disso? _ respondeu o cordeiro.
            _ Mas você estragou todo o meu pasto_ tornou o lobo.
            _ Como é que eu posso ter estragado seu pasto se nem dentes eu tenho?
            O lobo ,  não tendo mais como culpar o cordeiro, não disse mais nada , pulou sobre ele e o comeu  .
“Contra a força não há argumentos”.

Entendimento do Texto

1-   Esse texto é:
(  ) uma carta  (  ) uma fábula  (   )uma poesia
2-   Qual é o título da história e quem a escreveu?
R-____________________________________

3- Quais são as personagens do texto?
R- _____________________________________

4-O que o lobo disse ao cordeiro  no início do texto?
R-____________________________________
______________________________________
    
     5- O cordeiro disse que:
     (    ) que tinha bebido a água
     (     ) que a água já estava suja
     (      ) que ele não sujou a água

    6- O que aconteceu no final da história?
  
R-_________________________
    7- Qual é a moral que aparece no texto?
R-_______________________________________
_________________________________________

A onça  e a raposa
Luciana M. M. passos. Adaptação do folclore.

            A onça queria pegar a raposa. Por isso ela se fingiu de morta.
            Os bichos vieram ver a onça morta.
            A raposa veio também. Mas a raposa era muito esperta. Ela ficou de longe e disse bem alto:
            _ Quem morre de verdade espirra três vezes!
            Então a onça quis mostrar que estava morta mesmo. Ela fez assim:
            _ Atchim! Atchim! Atchim!
            A raposa deu uma risada e fugiu, rápida como um raio.
Responda:
1) Qual é o título do texto?
________________________________________
2) Quem é sua autora?
________________________________________
3) Que animais aparecem na história?
________________________________________
O CÃO E SEU REFLEXO

Um cão estava se sentindo muito orgulhoso de si mesmo. Achara um enorme pedaço de carne e a levava na boca, pretendendo devorá-lo em paz em algum lugar.
Ele chegou a um curso rio e começou a cruzar a estreita ponte que o levava para o outro lado. De repente, parou e olhou para baixo. Na superfície da água, viu seu próprio reflexo brilhando.
O cão não se deu conta que estava olhando para si mesmo. Julgou estar vendo outro cão com um pedaço de carne na boca.
Opa! Aquele pedaço de carne é maior que o meu, pensou ele. Vou pegá-lo e correr. Dito e feito. Largou seu pedaço de carne para pegar o que estava na boca do outro cão. Naturalmente, seu pedaço caiu n`água e foi parar bem no fundo, deixando-o sem nada.

MORAL: Quem tudo quer tudo perde.

Esopo: Fábulas completas

1- O cão largou seu pedaço de carne porque:

A- atravessou um rio procurando alguma coisa.
B- deixou que o pedaço menor fosse levado pelo rio.
C- ficou privado dos dois pedaços de carne.
D- julgou que o outro cão tinha um pedaço maior.

2- O texto foi escrito com o objetivo principal de:

A- anunciar um produto.
B- dar instruções.
C- transmitir ensinamento.
D- Mostrar pesquisa.

3- O texto trata principalmente da:

A- coragem do cão.
B- fome do cão.
C- ambição do cão.
D- sabedoria do cão.

4- O fato que deu início a narrativa foi:

A- a grande fome do cão.
B- o sentimento de orgulho do cão.
C- a sombra que o cão viu no rio.
D- a ponte que o cão atravessou.

Pinte as respostas que você assinalou acima no gabarito com muita atenção.

1
A
B
C
D
2
A
B
C
D
3
A
B
C
D
4
A
B
C
D

FESTA NO CÉU

                   IA TER UMA GRANDE FESTA NO CÉU. OS ANJOS ENFEITARAM AS NUVENS E A CEGONHA ENTREGOU OS CONVITES QUE DIZIAM: “ QUEM TEM ASAS, VEM; QUEM NÃO TEM, FICA OLHANDO!”.
                        O JABUTI FICOU TRISTE PORQUE NÃO SABIA VOAR. MAS, QUANDO VIU O URUBU AFINANDO SEU VIOLÃO, TEVE UMA IDEIA: ESCONDEU-SE DENTRO DO VIOLÃO.
                        NO DIA DA FESTA VIAJOU DE CARONA NO VIOLÃO DO SEU URUBU. FESTEJOU A NOITE TODA. E, QUANDO A FESTA ACABOU, ESCONDEU-SE OUTRA VEZ NO VIOLÃO.
                        NA VIAGEM DE VOLTA, SEU URUBU, QUE TOCOU A NOITE TODA, ESTAVA COM SONO E CANSADO. E O VIOLÃO ESTAVA TÃO PESADO QUE ESCAPOU E CAIU LÁ DO ALTO, ESPATIFANDO-SE NO CHÃO.
                        O CASCO DO POBRE JABUTI PARTIU-SE EM MUITOS PEDACINHOS, MAS O JABUTI, MUITO ESPERTO, JUNTOU E COLOU TODOS ELES. É POR ISSO QUE SEU CASCO HOJE É ASSIM.
                                                                                                      Coleção Folclore Mágico

APÓS A LEITURA DO TEXTO, RESPONDA:


QUE ANIMAL FOI À FESTA DE CARONA?

(      )  O URUBU
(      )  A CEGONHA
(      )  O JABUTI
(      )  A COBRA

QUAL DOS ANIMAIS ESTAVA MUITO CANSADO POR TOCAR A NOITE INTEIRA?
(      ) O JABUTI
(      ) A CEGONHA
(      ) A ARARA
(      ) O URUBU


O garoto do “Olha o lobo”

            Era uma vez um jovem pastor que cuidava de suas ovelhas. O rebanho pastava bem perto de um vilarejo. De vez em quando o pastorzinho gostava de pregar  uma peça nas pessoas  da vila e gritava:
            ─ Socorro! O lobo! Olha o lobo!!!
            Por três vezes os habitantes da vila se armavam de paus e pedras e iam em socorro do pastorzinho e de suas ovelhas. Quando chegaram, encontravam o jovem às gargalhadas, zombando de tanto esforço.
            Certo dia, um lobo faminto atacou o seu rebanho de verdade. O jovem gritava desesperado:
            ─ Olha o lobo! Olha o lobo! Socorro! ─ E nada ! Ninguém se movia.
            E o senhor da farmácia, ouvindo os gritos do jovem brincalhão, disse ao vizinho:
            ─ Deve ser mais uma de suas peças! Só que, desta vez, não caímos mais!
            E voltaram ao trabalho sem prestar atenção ao pedido de socorro, pois acharam que era mais uma de suas brincadeiras.
            Assim, o lobo pôde fazer seu banquete tranqüilamente sem ser incomodado.

Moral: Só a verdade é capaz de nos salvar
1-Responda:

a) O que cuidava  o personagem principal do texto?
.........................................................................................................................................

b) Qual a atitude dos habitantes da vila quando o pastorzinho gritava por socorro?
..........................................................................................................................................

c) Quando o menino precisou de ajuda ninguém o ajudou.  Por que?
...........................................................................................................................................

d) Por que não devemos mentir?
..........................................................................................................................................
A RAPOSA E O CORVO

Um dia um corvo estava pousado no galho de uma árvore com um pedaço de queijo no bico quando urna passou uma raposa. Vendo o corvo com o queijo, a raposa logo começou a matutar um jeito de se apoderar do queijo. Com essa idéia na cabeça, foi para debaixo da árvore, olhou para cima e disse:
- Que pássaro magnífico avisto nessa árvore! Que beleza estonteante! Que cores maravilhosas! Será que ele tem uma voz suave para combinar com tanta beleza? Se tiver, não há dúvida de que deve ser proclamado rei dos pássaros.
Ouvindo aquilo o corvo ficou que era pura vaidade. Para mostrar à raposa que sabia cantar, abriu o bico e soltou um sonoro “Cróóó!” O queijo veio abaixo, claro, a raposa abocanhou ligeiro aquela delícia, dizendo:
- Olhe, meu senhor, estou vendo que voz o senhor tem. O que não tem é inteligência!

Moral da história: Cuidado com quem muito elogia.  l. Agora, responda:

a)        A raposa elogiou o corvo porque:
(    ) ficou maravilhada com a beleza da ave.
(    ) o corvo possuía uma linda voz.
(    ) a raposa queria comer o queijo.
(    ) a raposa e ò corvo eram bons amigos.

b)        Na frase: “A raposa logo começou a matutar um jeito de se apoderar do queijo”, o sinônimo de matutar é:
(   ) espionar                      (    ) roubar
(    ) pensar                         (   ) machucar

c)         Podemos afirmar que o texto “A raposa e o corvo” é:
(       ) um texto jornalístico
(       ) uma fábula
(       ) um texto poético
(       ) uma entrevista

A formiga e o grão de trigo

A formiga e o grão de trigo

Leonardo da Vinci

Um grão de trigo, deixado sozinho no campo após a colheita, esperava pela chuva a fim de esconder-se novamente sob a terra.
Uma formiga viu o grão, colocou-o nas costas e partiu penosamente em direção ao distante formigueiro.
À medida que andava, o grão de trigo parecia pesar cada vez mais sobre suas costas cansadas.
–– Por que você não me deixa aqui? Perguntou-lhe o grão de trigo.
A formiga respondeu: ––  Se eu deixar você para trás, podemos não ter provisões suficientes para o inverno. Em nosso formigueiro há muitas formigas e cada uma de nós deve levar para o celeiro todo o alimento que encontrar.
––  Mas eu não fui feito só para ser comido, objetou o grão de trigo. Sou uma semente, cheia de vida, e meu destino é dar origem a uma planta. Ouça, cara formiga, vamos fazer um pacto.
A formiga, contente por poder descansar um pouco, colocou o grão de trigo no chão e perguntou:
–– Que pacto?
–– Se você me deixar aqui no campo, respondeu o grão de trigo, em vez de me levar para o formigueiro, eu darei a você, daqui a um ano, cem grãos de trigo exatamente iguais a mim.
A formiga olhou para o grão de trigo com ar incrédulo.
–– Sim, cara formiga. Creia no que estou lhe dizendo. Se você desistir de mim agora eu lhe darei cem de mim –– cem grãos de trigo para seu celeiro.
A formiga pensou: –– Cem grãos em troca de um só. . . Mas isso é um milagre!
––  E como é que você vai fazer isso? Perguntou ela.
–– Isso é um mistério, respondeu o grão de trigo. É o mistério da vida. Cave um buraquinho, enterre-me dentro dele e volte dentro de um ano.
No ano seguinte a formiga voltou. O grão de trigo transformara-se numa nova planta carregada de sementes, cumprindo, portanto, sua promessa.

TRABALHANDOCOM O TEXTO

1  Responda:
a)    Quais são as personagens do texto?
b)    Qual das personagens aparece em primeiro lugar?
2 – Releia o parágrafo 1:
a)    Onde se passa a história?
b)    O que o grão de trigo estava fazendo lá? Para quê?
3 – Releia os parágrafos 2 e 3 :
a)    Quem apareceu na história?
b)    O que ela fez?
c)    Para onde ela se dirigiu?
d)    Como a formiga andava?
e)    O que ia acontecendo enquanto ela andava?
4 – Releia os parágrafos 4 e 5 :
a)    Quem começou a conversa?
b)    O que disse?
c)    Qual foi a resposta da formiga?
d)    Que explicação ela deu para o que estava fazendo?
5 – Releia o parágrafo 6:
a)    O que o grão de trigo respondeu?
b)    Que explicação ele deu para o que tinha dito?
c)    O grão de trigo sugeriu alguma coisa à formiga. O que foi?
6 – Releia os parágrafos 7 e 8:
a)    Qual foi a atitude da formiga?
b)    Como ela se sentiu? Por que?
c)    Ela se interessou pelo que o grão de trigo tinha dito?
d)    O que, no texto, mostra esse interesse?
7 – Releia os parágrafos 9,10 e 11:
a)    O grão de trigo esclareceu sua proposta?
b)    Qual era ela?
c)    Enquanto isso, qual era a atitude da formiga?
d)    O grão de trigo tentou convencer a formiga?
e)    Como?
8 – Releia os parágrafos 12, 13 e 14:
a)    O que a formiga achou da proposta do grão de trigo?
b)    Ela quis saber alguma coisa?
c)    O quê?
d)    Como o grão de trigo definiu o que ia acontecer?
e)    O que ele mandou a formiga fazer?
9 – Releia o parágrafo 15:
a)    A formiga teve oportunidade de saber se o grão de trigo cumpriu sua promessa?
b)    Quando?
c)    Como o grão de trigo cumpriu sua promessa?

COMPREENSÃO DO TEXTO

1 – O texto pode ser dividido em quatro partes. Relacione cada parte ao seu assunto principal, escolhido no retângulo.
1ª parte : De “Um grão de trigo . . .” até “ . . . ao distante formigueiro.”
2ª parte : De “A medida que . . .” até “ . . . vamos fazer um pacto.”
3ª parte: De “A formiga, contente . . .” até “. . . dentro de um ano.”
4ª parte: De “No ano seguinte . . .” até o final.
A) o cão;
B) a carne;
C) o rio;
D) a cobiça.
02 - Há uma marca temporal que nos indica quando o fato aconteceu. Assinale essa
marca.

A) porém;
B) era uma vez;
C) todavia;
D) prontamente.
03 – Podemos afirmar, observando os verbos, que a história está escrita no:
A) presente;
B) passado;
C) futuro;
D) nenhuma das alternativas.
04 – Que motivo levou o cão a deixar seu pedaço de carne e se jogar na água em busca de outro pedaço?
A) queria dar um mergulho;
B) achou que sua carne estava grande e quis pegar uma menor;
C) viu na água o retrato de um cão amigo;
D) a gula e a cobiça.
05 – Assinale a alternativa onde todos os verbos estejam no passado.
A) mergulhou, nadou, achou;
B) pedaço, carne, rio;
C) cão, ele, fraquezas;
D) duvidoso, história, suculento.
06 – Há no texto adjetivos, ou seja, palavras que exercem a função de atribuir qualidades
boas ou ruins. Assinale a alternativa que
contém apenas qualidades.
A) pedaço, cobiça, fraqueza;
B) suculento, maior, duvidoso;
C) cão, levava, atravessando;
D) duvidoso, história, rio.
07 – A moral do texto que você leu é: “Nunca deixes o certo pelo duvidoso.” Que outro ditado popular poderia substituir o da história? Assinale a alternativa correta.
A) Mais vale um pássaro na mão do que dois
voando;
B) Antes pingar do que secar;
C) Quem tudo quer tudo perde;
D) Todas as alternativas estão corretas.
08 – O texto lido possui:
A) personagem;
B) espaço (lugar onde acontece o fato);
C) conflito (motivo que desencadeia a história,
caracterizando-a como narrativa);
D) Todas as alternativas estão corretas.
09 – Podemos afirmar que o conflito, o problema que desencadeia toda a narrativa é:
A) a carne suculenta que o cão tinha;
B) a gulodice, o desejo de conseguir um pedaç maior de carne;
C) o cão estava com calor e quis dar um mergulho;
D) o desejo de perder tudo que tinha.
10 – Observe os pares de antônimos que há no texto. Assinale a alternativa correta.
A) perdeu – achou;
B) maior – menor;
C) certo – duvidoso;
D) Todas as alternativas estão corretas.
11 – “... Nadou, nadou e não achou nada, e ainda perdeu o pedaço que levava...” Esse
trecho do texto expressa:
A) desânimo;
B) alegria;
C) fracasso;
D) As alternativas A e C estão corretas.
12 – “Cobiça” significa:
A) desejar;
B) mentir;
C) enganar;
D) respeitar.
Leia o texto com atenção e depois responda
as questões.

    O cão e a carne
Era uma vez um cão, que ia atravessando um rio. Levava na boca um suculento pedaço de carne. Porém, viu na água do rio a sombra da carne, que era muito maior.
Prontamente ele largou seu pedaço de carne e mergulhou no rio para pegar o maior.
   Nadou, nadou e não achou nada, e ainda perdeu o pedaço que levava.

Moral da história: Nunca deixes o certo pelo duvidoso. De todas as fraquezas humanas a cobiça é a mais comum, e é todavia a mais castigada.
(Fábula de Esopo)
01- O personagem principal da história é:
O GATO E A RAPOSA

                      O GATO E A RAPOSA ANDAVAM SEMPRE JUNTOS PELO MUNDO. ERAM MUITO AMIGOS, APESAR DE A RAPOSA ESTAR SEMPRE DESVALORIZANDO O COLEGA.
                    _AMIGO GATO, POR QUE NÃO APRENDE MAIS TRUQUES PARA FUGIR DOS CACHORROS QUE NOS PERSEGUEM? SEMPRE OUVI DIZER QUE VOCÊ É TÃO INTELIGENTE. SERÁ VERDADE?
                     _SEI SUBIR RAPIDAMENTE EM ÁRVORES. É O QUE ME BASTA. OS CACHORROS NÃO VÃO ME PEGAR.
                     _VOCÊ SÓ SABE ISSO? EU SEI 99 TRUQUES DIFERENTES! CO NHEÇO MIL MANHAS, CADA UMA MELHOR QUE A OUTRA. FINJO-ME DE MORTA, ME ESCONDO NAS FOLHAS SECAS, NAS MOITAS, CORRO EM ZIGUEZAGUE, DISFARÇO MINHAS PEGADAS...
                      ENQUANTO A RAPOSA FALAVA DISTRAIDAMENTE DAS SUAS HABILIDADES SE APROXIMAVAM DALI DOIS CACHORROS. O GATO MUITO ESPERTO SUBIU RAPIDAMENTE NA ÁRVORE. QUANDO A RAPOSA PERCEBEU A PRESENÇA DOS CACHORROS, TEVE QUE SAIR EM DISPARADA PARA FUGIR DELES. 
                     _POBRE COMADRE RAPOSA. É SEMPRE PREFERÍVEL SABER BEM UMA      SÓ COISA, A SABER, MAL NOVENTA E NOVE COISAS DIVERSAS

CADA UM INVENTA O SEU MONSTRO

Em nosso bairro há uma casa abandonada. É uma casa velha, enorme, onde não mora ninguém há muitos e muitos anos. Somos muitos vizinhos e acreditamos que na realidade ali mora um monstro, que cada um imagina de uma maneira diferente.
O filho do padeiro afirma que certamente se trata de um ser com pele de casca de pão, pernas de bengala, nariz de pão de queijo, olhos de suspiro e corninhos na cabeça. Não tem sangue nas veias, e sim farinha de rosca.
O filho do carpinteiro o imagina com patas de mesa, pele de lixa, dentes de serrote e cabela de madeira. Em vez de lavar a cara, todas as manhãs ele se aplica uma camada de verniz com um grande pincel.
Cada um imagina o mostro à sua maneira.

(Fonte: Ricardo Marino. Garrafa ao mar. São Paulo: Livros do Tatu, 1991.

1. O texto que você leu é (D9)
(A) uma poesia (B) uma música (C) uma história narrativa

2. O texto é dividido por (D14)
(A) estrofes (B) informações numeradas (C) parágrafos

LEIA:
Meu nome é Teddy. O mangusto se chama Rikki-tikki-tavi. Eu gosto do mangusto. Minha família também. Ele é muito curioso. Nós gostamos muito do mangusto, mas meus vizinhos morrem de medo. Eles querem ver o mangusto longe daqui.
3.No texto a palavra ele substitui:
(A) Família (B) Mangusto (C) Teddy (D) Vizinho

LEIA:
Os rios precisam de um banho

A população das cidades esquece a importância dos rios e os utilizam como cestas de lixo. O resultado muita gente já deve conhecer: enchentes! Com tanto entulho, os canais de drenagem - isto é, o caminho que as águas percorrem morro abaixo, acabam ficando entupidos e causando inundações em dias de chuvas fortes. Para evitar as enchentes - que, além da destruição, trazem doenças -, a solução é não jogar lixo nos rios. O lugar das coisas que não queremos mais, sejam chinelos, garrafas ou até eletrodomésticos é a lata de lixo!
TORRES, João Paulo Machado. Os rios precisam de um banho.
Ciência Hoje das Crianças, Rio de Janeiro: n° 98, p. 21, dez 1999. (fragmento)

4. De acordo com o texto as enchentes acontecem por que:
(A) As águas correm morro abaixo
(B) Jogamos chinelos e garrafas na lata do lixo
(C) As pessoas ficam doentes com as inundações
(D) A população das cidades joga lixo nos rios


5. De acordo com o texto as enchentes acontecem por que:
(A) As águas correm morro abaixo
(B) Jogamos chinelos e garrafas na lata do lixo
(C) As pessoas ficam doentes com as inundações
(D) A população das cidades joga lixo nos rios

LEIA:
Os Asteróides
            Entre marte e Júpiter encontramos uma faixa de pequenos corpos, provavelmente originados em explosões planetárias, que gravitam em torno do sol. O maior destes asteróides pode ser visto a olho nu e recebe o nome de Vesta. Calcula-se em mais de 1.600 o número de asteróides existentes.
Novo Atlas Geográfico Mundial

6.Assinale apenas uma alternativa correta:
- De acordo com o texto, a definição de asteróides é:


A)Corpos formados por restos de planetas
b)Planetas situados entre Marte e Júpiter
c)Atividade de gravitar em torno do sol
d)Explosão de gases existentes na terra



LEIA:
A Visão

Nosso olhos são muitos sensíveis e precisam ser tratados com delicadeza. Quando piscamos, as pálpebras se tocam, espalhando lágrimas sobre os olhos. Assim limpamos a poeira e a sujeira que chegam pelo ar . Os cílios também protegem os olhos dos ciscos e da poeira do ambiente.

7- (D   )Nós piscamos por que?
(A) Estamos com os olhos sonolentos;
(B) Os cílios são moles;
(C )As lágrimas protegem nossos olhos;
(D)O vento é forte;

8-(D  ) O assunto central do texto é:
(A) cílios (B) olhos (C )lágrimas (D) pálpebras

TEXTO

E por aqui, pessoal!
Quando uma abelha descobri um lugar com muitas flores, logo corre para contar a novidade as outras. Só que ela não usa palavras. Produz um zumbido e faz uma espécie de dança, dando voltas e rebolando dentro da colméia. As abelhas decifram esse código e descobrem o caminho e até a distância das flores até a colméia. Depois saem voando direto para as flores carregadas de néctar.
(Revista Recreio, 2004)

9-(D6) O assunto central do texto é:
(A) A rotina das abelhas;
(B) Como produzir mel;
(C ) A comunicação entre as abelhas;
(D)As abelhas são comunicativas.

10- (D ) O motivo por que as abelhas não usam as palavras é:
(A) por que não sabem falar
(B) comunica- se por meio de som e movimento;
(C ) fala outra língua
(D ) Usam as antenas para se comunicarem;

TEXTO
A Patota
A patota do pato quis fazer do pato ganso.
Que era manco, mas pateta não era, deu no pé de bicicleta.
(Sérgio Capparelli.)

11-(D    ) Na situação em que foi empregada, a expressão deu no pé é equivalente a
(A) aparecer
(B) caber
(C ) espancar
(D)fugir

TEXTO
Os dois amigos e o urso
Iam dois homens pela estrada quando um urso os atacou. Enquanto um deles caiu, o outro, em desabalada fuga, numa árvore subiu, se fingiu de morto. O urso o cheirou, mexeu, virou, revirou e final. Volta, rindo, ao amigo perguntou: _ Quando fuçou teu ouvido, o que o urso falou:
_ Que nas horas de perigo se conhece o falso amigo.


12- (D   ) Há traço de ironia no trecho.
(A) Iam dois homens pela estrada;
(B) Enquanto um deles caiu.
(C ) O urso o cheirou, mexeu, virou, revirou.
(D)O outro, de volta, rindo, ao amigo perguntou

13- (D   ) No trecho: Iam dois homens pela estrada. A expressão sublinhada dá idéia de:
(A) causa (B) explicação © lugar (D) tempo

 TEXTO
O Segredo da Pipoca
Você está preocupado se vai conseguir fazer uma pipoca bem crocante? Lá vai uma dica, antes de acender o fogo, mexa a pipoqueira três vezes para um lado, duas para o outro, três sacudidas.
14- (D  ) O texto serve para.
(A) ensinar como fazer pipoca
(B) ensinar como se usa uma pipoqueira
(C ) Dá uma dica de como fazer uma pipoca crocante
(D)Dá uma dica de como ficar despreocupada.
Texto
“O guaraná é o fruto do guaranazeiro, um arbusto tropador, tem flores pequenas e alvacentas, é um fruto seco que se abre quando está maduro, deixando escapar as sementes. Sua sementes possuem substâncias excitantes chamadas xantinas.”
15- (D  ) O assunto principal é:
(A) as substâncias do guaraná
(B) O guaraná
(C ) a semente do guaraná
(D)arbusto trepador
16- (D  ) O texto tem a função de.
(A) informar um acontecimento (C ) vender o guaraná
(B) descrever a substância do guaraná (D) informar que o guaraná é o fruto guaranazeiro



Reescreva-a, pontuando de tal forma que as idéias fiquem claras e cheias de emoção. 

pé-com-salto, pé–sem-salto.(1° parte)

     O sapato estava andando pela cidade
     Quando voltou para o armário queixou-se para o cabide
            Veja só fui assaltado me roubaram o salto e agora fiquei a-saltado não se pode mais andar pela cidade hoje em dia
     O cabide entortou o pescoço e curvou os ombros para ver o pé de sapato des-saltado
            Santo-boi amigo sapato você ficou sem um pedaço precisa de cuidados urgentes que tal um transplante de salto
    
QUE SOLUÇÃO SERÁ QUE O SAPATO DARÁ? AGUARDE O PRÓXIMO CAPÍTULO DA HISTÓRIA, NO PRÓXIMO EXERCÍCIO!



PÉ-COM-SALTO, PÉ-SEM-SALTO. (2° PARTE)

     O sapato saiu mancando e foi bater na porta do sapateiro
          Nada feito vizinho o estoque de saltos acabou por que você não procura a fábrica
     O sapato foi então até a fábrica
          Nada feito meu filho não temos mais nada aqui já mandamos tudo para as lojas
     O sapato tentou o supermercado
          Nada feito freguês aqui só tem sapato completo por que você não procura um sapateiro
COITADO DO SAPATO, SERÁ QUE HAVERÁ SOLUÇÃO?CONTINUE A REESCREVER A HISTÓRIA, EM GRUPO, PONTUANDO ONDE FOR NECESSÁRIO.



PÉ-COM-SALTO, PÉ-SEM-SALTO. 3° PARTE
    
     O sapato já estava desanimado foi aí que apareceu o cavalo
          Que é isso compadre sapato você está mancando
          Eu fui assaltado na cidade e me levaram o salto O cabide me mandou para o sapateiro que me mandou  para a fábrica que me mandou de volta para o sapateiro e o diabo é que salto sozinho ninguém tem
          Não fique triste compadre sapato eu também já perdi meu salto manquei uma semana mas descobri onde tinha acho que posso ajudar você
     UFA!!!ENFIM UMA AJUDA PARA O POBRE DO SAPATO A-SALTADO! CONTINUE! REESCREVA E PONTUE O TEXTO, SÓ QUE AGORA, SOZINHO.


DETETIVE
          Preciso da sua ajuda.
          Tenho uma palavra-chave para desvendar um mistério.
          Para encontrá-la veja as dicas abaixo e...
          Atenção!  Releia todo este bilhete, pois parece que a palavra está escondida aqui.
DICAS
Estou escrita no bilhete.Tenho sete letras e três sílabas. Sou formada por 4 vogais e 3 consoantes. Minha sílaba tônica é a última.

LEIA O TEXTO SILENCIOSAMENTE DEPOIS RESPONDA À PERGUNTA.
LEÃO E O RATINHO

UM LEÃO, CANSADO DE TANTO CAÇAR, DORMIA ESPICHADO DEBAIXO DA SOMBRA BOA DE UMA ÁRVORE. VIERAM UNS RATINHOS PASSEAR POR CIMA DELE E ELE ACORDOU. TODOS CONSEGUIRAM FUGIR, MENOS UM, QUE IMPLOROU QUE O LEÃO DESISTIU DE ESMAGÁ-LO E DEIXOU QUE FOSSE EMBORA. ALGUM TEMPO DEPOIS O LEÃO FICOU PRESO NA REDE DE UNS CAÇADORES. NÃO CONSEGUINDO SE SOLTAR, FAZIA A FLORESTA TREMER COM SEUS URROS DE RAIVA. NISSO APARECEU O RATINHO, E COM SEUS DENTES AFIADOS ROEU AS CORDAS E SOLTOU O LEÃO.
MORAL: UMA BOA AÇÃO GANHA OUTRA.



QUE FOME!
            MOQUECA É UMA VACA MUITO SAPECA,
 QUE VIVE NUMA FAZENDA DE MINAS GERAIS.
UM BELO DIA, ELA CONHECE UM CHARMOSO TOURO LOURO E ELES SE APAIXONAM. ALGUM TEMPO DEPOIS, MOQUECA, QUE SEMPRE FOI MAGRINHA E ELEGANTE, APARECE GORDUCHA E FELIZ. ELA IA TER UM BEBÊ, QUER DIZER, UM LINDO BEZERRINHO. ACONTECE QUE, DEPOIS QUE O BEZERRO NASCE, A VACA CONTINUA GORDA E SEU FILHOTE CADA VEZ MAIS MAGRO. QUAL SERÁ O MISTÉRIO DA VACA MOQUECA?
.

A RAPOSA E AS UVAS

            UMA RAPOSA FAMINTA ENTROU NUM TERRENO ONDE HAVIA UMA PARREIRA, CHEIA DE UVAS MADURAS, COM CACHOS MUITO ALTOS, EM CIMA DE SUA CABEÇA. A RAPOSA NÃO PODIA RESISTIR À TENTAÇÃO DE CHUPAR AQUELAS UVAS, MAS POR MAIS QUE PULASSE, NÃO CONSEGUIA ABOCANHÁ-LAS. CANSADA DE PULAR, OLHOU MAIS UMA VEZ OS APETITOSOS CACHOS E DISSE:
            — ESTÃO VERDES...

A GIRAFA SEM SONO

            NAQUELA NOITE, ENQUANTO TODOS OS ANIMAIS DA FLORESTA JÁ ESTAVAM DORMINDO, A GIRAFA ANDAVA PRA LÁ E PRA CÁ E NÃO CONSEGUIA PEGAR NO SONO.
            — É FALTA DE UM BOM TRAVESSEIRO!
            FALOU UMA ÁRVORE QUE ESTAVA LÁ PERTO.
            — MAS EU TENHO UM SOB MEDIDA PARA VOCÊ. É SÓ ENCOSTAR SUA CABEÇA NO MEIO DESTES DOIS GALHOS E VOCÊ DORMIRÁ SOSSEGADA ATÉ O DIA AMANHECER.



PIPOCA E BATATINHA. DOIS DIVERTIDOS PALHAÇOS, CHEIOS DE MANIA, GOSTOS E VONTADES EXTREMAMENTE OPOSTOS, DESCOBREM-SE PARENTES E HERDEIROS DOS BENS DE UM TIO COMUM. ELES INICIAM, ENTÃO, UMA COMPLICADA E, AO MESMO TEMPO, ENGRAÇADA CONVIVÊNCIA. SERÁ QUE DUAS PESSOAS ASSIM TÃO DIFERENTES CONSEGUEM DIVIDIR O MESMO ESPAÇO? TEATRO DA ASSEMBLÉIA, RUA RODRIGUES CALDAS, 30. 21. 08. 78. 26. SÁBADO E DOMINGOS, ÀS 16H 30MIN. ATÉ 28/10.
O QUE AS PLANTAS CARNÍVORAS FAZEM?
ELAS CAPTURAM INSETOS. A MAIOR PARTE VIVE EM LOCAIS ONDE FALTAM NUTRIENTES NO SOLO, POR ISSO A ALIMENTAÇÃO COM INSETOS.
COM SUAS CORES E SEU CHEIRO FORTE, ATRAEM AS PRESAS PARA ARMADILHAS QUE VARIAM EM CADA ESPÉCIE. ALGUMAS AGARRAM OS INSETOS COM FOLHAS EM FORMA DE CONCHA. OUTRAS PRENDEM AS PRESAS COM SUBSTÂNCIAS ADESIVAS.

LIÇÕES MANCHADAS
            HÁ MUITO TEMPO ATRÁS OS ALUNOS USAVAM PENAS DE METAL QUE TINHAM QUE SER MERGULHADAS NA TINTA PARA ESCREVER. NÃO EXISTIA CANETA, ENTÃO, AS LIÇÕES DA ESCOLA ERAM ESCRITAS USANDO-SE AS PENAS E A TINTA. TUDO PRECISAVA SER FEITO COM CUIDADO PORQUE SE NÃO... VOCÊ NEM IMAGINA O QUE ACONTECIA COM AS LIÇÕES!
Postado por Marilda às 10:31 0 comentários
Marcadores: textos
textos para caderno de leitura




MEU CADERNO DE TEXTOS

AS ADIVINHAS, AS CANTIGAS DE RODA, AS PARLENDAS, AS QUADRINHAS E OS TRAVA-LÍNGUAS SÃO TEXTOS DA TRADIÇÃO ORAL BRASILEIRA — ISSO QUER DIZER QUE FORAM FEITOS PARA SER FALADOS.

A MAIORIA DELES É DE DOMÍNIO PÚBLICO, OU SEJA, NÃO SE SABE QUEM OS INVENTOU: FORAM SIMPLESMENTE PASSADOS DE BOCA A BOCA, DAS PESSOAS MAIS VELHAS PARA AS MAIS NOVAS. VOCÊ DEVE CONHECER TEXTOS DESSE TIPO, MESMO QUE NÃO SEJA OS QUE ESTÃO AQUI; LEMBRESE DAQUELES QUE SÃO FALADOS PELAS PESSOAS DO LUGAR
EM QUE VOCÊ VIVE.

AS CANÇÕES ESCOLHIDAS PARA ESTE CADERNO SÃO DE DIFERENTES ÉPOCAS E ESTILOS MUSICAIS. SÃO MÚSICAS QUE FICARAM CONHECIDAS POR MUITOS BRASILEIROS. VOCÊ PODE APROVEITAR AS CANÇÕES QUE JÁ SABE E GOSTA E TAMBÉM ESCREVÊ-LAS E CANTÁ-LAS.

OS POEMAS SÃO TEXTOS PARECIDOS COM AS CANÇÕES, SÓ QUE NÃO SÃO MUSICADOS. ALGUNS DOS QUE ESTÃO AQUI FORAM FEITOS ESPECIALMENTE PARA CRIANÇAS. REPARE QUE OS POEMAS, ASSIM COMO AS QUADRINHAS E OS TRAVA-LÍNGUAS, “BRINCAM” COM OS SONS DAS PALAVRAS E COM O SEU SIGNIFICADO.

ESTE CADERNO É PARA VOCÊ LER, RELER, CANTAR, DECLAMAR, ADIVINHAR E SE DIVERTIR.
BOM PROVEITO!





MÚSICA: PASTORINHAS -Noel Rosa e João de Barro

A ESTRELA D’ALVA
NO CÉU DESPONTA
E A LUA ANDA TONTA
COM TAMANHO ESPLENDOR

E AS PASTORINHAS
PRA CONSOLO DA LUA
VÃO CANTANDO NA RUA
LINDOS VERSOS DE AMOR

LINDA PASTORA
MORENA DA COR DE MADALENA,
TU NÃO TENS PENA
DE MIM QUE VIVO TONTO
COM O TEU OLHAR

LINDA CRIANÇA,
TU NÃO ME SAIS DA LEMBRANÇA
MEU CORAÇÃO NÃO SE CANSA
DE SEMPRE, SEMPRE TE AMAR
MÚSICA: PASTORINHAS -Noel Rosa e João de Barro

A ESTRELA D’ALVA
NO CÉU DESPONTA
E A LUA ANDA TONTA
COM TAMANHO ESPLENDOR

E AS PASTORINHAS
PRA CONSOLO DA LUA
VÃO CANTANDO NA RUA
LINDOS VERSOS DE AMOR

LINDA PASTORA
MORENA DA COR DE MADALENA,
TU NÃO TENS PENA
DE MIM QUE VIVO TONTO
COM O TEU OLHAR

LINDA CRIANÇA,
TU NÃO ME SAIS DA LEMBRANÇA
MEU CORAÇÃO NÃO SE CANSA
DE SEMPRE, SEMPRE TE AMAR






MÚSICA: ASA-BRANCA
Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira

QUANDO OLHEI A TERRA ARDENDO
QUAL FOGUEIRA DE SÃO JOÃO
EU PERGUNTEI A DEUS DO CÉU, AI
POR QUE TAMANHA JUDIAÇÃO

ATÉ MESMO A ASA-BRANCA
BATEU ASAS DO SERTÃO
ENTÃO EU DISSE: “ADEUS ROSINHA,
GUARDA CONTIGO MEU CORAÇÃO”.

QUANDO O VERDE DOS TEUS OLHOS
SE ESPALHAR NA PLANTAÇÃO
EU TE ASSEGURO
NÃO CHORE NÃO, VIU
QUE EU VOLTAREI, VIU,
MEU CORAÇÃO!
MÚSICA: ASA-BRANCA
Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira

QUANDO OLHEI A TERRA ARDENDO
QUAL FOGUEIRA DE SÃO JOÃO
EU PERGUNTEI A DEUS DO CÉU, AI
POR QUE TAMANHA JUDIAÇÃO

ATÉ MESMO A ASA-BRANCA
BATEU ASAS DO SERTÃO
ENTÃO EU DISSE: “ADEUS ROSINHA,
GUARDA CONTIGO MEU CORAÇÃO”.

QUANDO O VERDE DOS TEUS OLHOS
SE ESPALHAR NA PLANTAÇÃO
EU TE ASSEGURO
NÃO CHORE NÃO, VIU
QUE EU VOLTAREI, VIU,
MEU CORAÇÃO!





MÚSICA: BANHO DE LUA
Versão de Fred Jorge

TOMO BANHO DE LUA
FICO BRANCA COMO A NEVE
SE O LUAR É MEU AMIGO
CENSURAR NINGUÉM SE ATREVE
É TÃO BOM SONHAR CONTIGO
OH! LUAR TÃO CÂNDIDO.
SOB UM BANHO DE LUAR
NUMA NOITE DE ESPLENDOR
SINTO A FORÇA DA MAGIA
DA MAGIA DO AMOR
É TÃO BOM SONHAR CONTIGO
OH! LUAR TÃO CÂNDIDO
TIN TIN TIN
RAIO DE LUA
TIN TIN TIN
BAILANDO VEM AO MUNDO,
OH! LUA!
A CÂNDIDA LUA VEM
MÚSICA: BANHO DE LUA
Versão de Fred Jorge

TOMO BANHO DE LUA
FICO BRANCA COMO A NEVE
SE O LUAR É MEU AMIGO
CENSURAR NINGUÉM SE ATREVE
É TÃO BOM SONHAR CONTIGO
OH! LUAR TÃO CÂNDIDO.
SOB UM BANHO DE LUAR
NUMA NOITE DE ESPLENDOR
SINTO A FORÇA DA MAGIA
DA MAGIA DO AMOR
É TÃO BOM SONHAR CONTIGO
OH! LUAR TÃO CÂNDIDO
TIN TIN TIN
RAIO DE LUA
TIN TIN TIN
BAILANDO VEM AO MUNDO,
OH! LUA!
A CÂNDIDA LUA VEM





MÚSICA: ATIREI O PAU NO GATO

ATIREI O PAU NO GATO TO
MAS O GATO TO
NÃO MORREU REU REU
DONA CHICA CA
ADMIROU-SE SE
DO MIAU, DO MIAU
QUE O GATO DEU
MIAU…
MÚSICA: ATIREI O PAU NO GATO

ATIREI O PAU NO GATO TO
MAS O GATO TO
NÃO MORREU REU REU
DONA CHICA CA
ADMIROU-SE SE
DO MIAU, DO MIAU
QUE O GATO DEU
MIAU…





Música: O XOTE DAS MENINAS
Zé Dantas e Luiz Gonzaga

MANDACARU, QUANDO FULORA
NA SECA,
É O SINAL QUE A CHUVA CHEGA NO
SERTÃO,
TODA MENINA QUE ENJOA DA
BONECA
É SINAL QUE O AMOR
JÁ CHEGOU NO CORAÇÃO

MEIA COMPRIDA, NÃO QUER MAIS
SAPATO BAIXO,
VESTIDO BEM CINTADO,
NÃO QUER MAIS VESTIR TIMÃO

ELA SÓ QUER, SÓ PENSA EM
NAMORAR,
ELA SÓ QUER, SÓ PENSA EM
NAMORAR

DE MANHÃ CEDO JÁ TÁ PINTADA,
SÓ VIVE SUSPIRANDO,
SONHANDO ACORDADA,
O PAI LEVA AO DOUTÔ
A FILHA ADOENTADA,
NÃO COME NEM ESTUDA
NÃO DORME, NEM QUER NADA

ELA SÓ QUER, SÓ PENSA EM
NAMORAR,
ELA SÓ QUER, SÓ PENSA EM
NAMORAR

MAS O DOUTÔ NEM EXAMINA
CHAMANDO O PAI DE LADO
LHE DIZ LOGO EM SURDINA
QUE O MAL É DA IDADE
QUE PRA TAL MENINA
NÃO HÁ UM SÓ REMÉDIO
EM TODA A MEDICINA

ELA SÓ QUER, SÓ PENSA EM
NAMORAR,
ELA SÓ QUER, SÓ PENSA EM
NAMORAR
Música: O XOTE DAS MENINAS
Zé Dantas e Luiz Gonzaga

MANDACARU, QUANDO FULORA
NA SECA,
É O SINAL QUE A CHUVA CHEGA NO
SERTÃO,
TODA MENINA QUE ENJOA DA
BONECA
É SINAL QUE O AMOR
JÁ CHEGOU NO CORAÇÃO

MEIA COMPRIDA, NÃO QUER MAIS
SAPATO BAIXO,
VESTIDO BEM CINTADO,
NÃO QUER MAIS VESTIR TIMÃO

ELA SÓ QUER, SÓ PENSA EM
NAMORAR,
ELA SÓ QUER, SÓ PENSA EM
NAMORAR

DE MANHÃ CEDO JÁ TÁ PINTADA,
SÓ VIVE SUSPIRANDO,
SONHANDO ACORDADA,
O PAI LEVA AO DOUTÔ
A FILHA ADOENTADA,
NÃO COME NEM ESTUDA
NÃO DORME, NEM QUER NADA

ELA SÓ QUER, SÓ PENSA EM
NAMORAR,
ELA SÓ QUER, SÓ PENSA EM
NAMORAR

MAS O DOUTÔ NEM EXAMINA
CHAMANDO O PAI DE LADO
LHE DIZ LOGO EM SURDINA
QUE O MAL É DA IDADE
QUE PRA TAL MENINA
NÃO HÁ UM SÓ REMÉDIO
EM TODA A MEDICINA

ELA SÓ QUER, SÓ PENSA EM
NAMORAR,
ELA SÓ QUER, SÓ PENSA EM
NAMORAR












CANTIGA : PAI FRANCISCO

PAI FRANCISCO ENTROU NA RODA
TOCANDO O SEU VIOLÃO
DÃO RÃO RÃO DÃO DÃO [BIS]
VEM DE LÁ SEU DELEGADO
PAI FRANCISCO
VAI PRA PRISÃO
COMO ELE VEM TODO REQUEBRADO
PARECE UM BONECO
DESENGONÇADO
CANTIGA: PAI FRANCISCO

PAI FRANCISCO ENTROU NA RODA
TOCANDO O SEU VIOLÃO
DÃO RÃO RÃO DÃO DÃO [BIS]
VEM DE LÁ SEU DELEGADO
PAI FRANCISCO
VAI PRA PRISÃO
COMO ELE VEM TODO REQUEBRADO
PARECE UM BONECO
DESENGONÇADO





CANTIGA: POMBINHA BRANCA

POMBINHA BRANCA
O QUE ESTÁ FAZENDO
LAVANDO A ROUPA
DO CASAMENTO.

A ROUPA É SUJA
É COR-DE-ROSA
POMBINHA BRANCA
É PREGUIÇOSA.
CANTIGA: POMBINHA BRANCA

POMBINHA BRANCA
O QUE ESTÁ FAZENDO
LAVANDO A ROUPA
DO CASAMENTO.

A ROUPA É SUJA
É COR-DE-ROSA
POMBINHA BRANCA
É PREGUIÇOSA.





CANTIGA: VOCÊ GOSTA DE MIM?

VOCÊ GOSTA DE MIM, Ô… [FULANA]
EU TAMBÉM DE VOCÊ, Ô… [FULANA]
VOU PEDIR A SEU PAI, Ô… [FULANA]
PARA CASAR COM VOCÊ, Ô… [FULANA]
SE ELE DISSER QUE SIM, Ô… [FULANA]
TRATAREI DOS PAPÉIS, Ô… [FULANA]
SE ELE DISSER QUE NÃO, Ô… [FULANA]
MORREREI DE PAIXÃO, Ô… [FULANA]
PALMA, PALMA, PALMA, Ô… [FULANA]
PÉ, PÉ, PÉ, Ô… [FULANA]
RODA, RODA, RODA, Ô… [FULANA]
ESCOLHA QUEM VOCÊ QUER, Ô…
CANTIGA: VOCÊ GOSTA DE MIM?

VOCÊ GOSTA DE MIM, Ô… [FULANA]
EU TAMBÉM DE VOCÊ, Ô… [FULANA]
VOU PEDIR A SEU PAI, Ô… [FULANA]
PARA CASAR COM VOCÊ, Ô… [FULANA]
SE ELE DISSER QUE SIM, Ô… [FULANA]
TRATAREI DOS PAPÉIS, Ô… [FULANA]
SE ELE DISSER QUE NÃO, Ô… [FULANA]
MORREREI DE PAIXÃO, Ô… [FULANA]
PALMA, PALMA, PALMA, Ô… [FULANA]
PÉ, PÉ, PÉ, Ô… [FULANA]
RODA, RODA, RODA, Ô… [FULANA]
ESCOLHA QUEM VOCÊ QUER, Ô…





CANTIGA: O CRAVO E A ROSA

O CRAVO BRIGOU COM A ROSA
DEBAIXO DE UMA SACADA
O CRAVO SAIU FERIDO
E A ROSA DESPEDAÇADA.

O CRAVO FICOU DOENTE
A ROSA FOI VISITAR
O CRAVO TEVE UM DESMAIO
E A ROSA PÔS-SE A CHORAR.
CANTIGA:  O CRAVO E A ROSA

O CRAVO BRIGOU COM A ROSA
DEBAIXO DE UMA SACADA
O CRAVO SAIU FERIDO
E A ROSA DESPEDAÇADA.

O CRAVO FICOU DOENTE
A ROSA FOI VISITAR
O CRAVO TEVE UM DESMAIO
E A ROSA PÔS-SE A CHORAR.









CANTIGA:  DE ABÓBORA FAZ MELÃO

DE ABÓBORA FAZ MELÃO
DE MELÃO, FAZ MELANCIA [BIS]
FAZ DOCE, SINHÁ
FAZ DOCE, SINHÁ
FAZ DOCE SINHÁ MARIA.

QUEM QUISER APRENDER A

DANÇAR
VÁ NA CASA DO SEU JUQUINHA [BIS]
ELE PULA, ELE RODA
ELE FAZ REQUEBRADINHA
CANTIGA:  DE ABÓBORA FAZ MELÃO

DE ABÓBORA FAZ MELÃO
DE MELÃO, FAZ MELANCIA [BIS]
FAZ DOCE, SINHÁ
FAZ DOCE, SINHÁ
FAZ DOCE SINHÁ MARIA.

QUEM QUISER APRENDER A

DANÇAR
VÁ NA CASA DO SEU JUQUINHA [BIS]
ELE PULA, ELE RODA
ELE FAZ REQUEBRADINHA





CANTIGA:  A BARATA

A BARATA DIZ QUE TEM
SETE SAIAS DE FILÓ.
É MENTIRA DA BARATA
ELA TEM É UMA SÓ.

AH! AH! AH!
OH! OH! OH!
ELA TEM É UMA SÓ.

A BARATA DIZ QUE TEM
SETE SAIAS DE BALÃO.
É MENTIRA ELA NÃO TEM
NEM DINHEIRO PRO SABÃO.

AH! AH! AH!
OH! OH! OH!
NEM DINHEIRO PRO SABÃO.

A BARATA DIZ QUE TEM
UM SAPATO DE FIVELA.
É MENTIRA DA BARATA
O SAPATO É DA MÃE DELA.
AH! AH! AH!
OH! OH! OH!
O SAPATO É DA MÃE DELA.
CANTIGA:  A BARATA

A BARATA DIZ QUE TEM
SETE SAIAS DE FILÓ.
É MENTIRA DA BARATA
ELA TEM É UMA SÓ.

AH! AH! AH!
OH! OH! OH!
ELA TEM É UMA SÓ.

A BARATA DIZ QUE TEM
SETE SAIAS DE BALÃO.
É MENTIRA ELA NÃO TEM
NEM DINHEIRO PRO SABÃO.

AH! AH! AH!
OH! OH! OH!
NEM DINHEIRO PRO SABÃO.

A BARATA DIZ QUE TEM
UM SAPATO DE FIVELA.
É MENTIRA DA BARATA
O SAPATO É DA MÃE DELA.
AH! AH! AH!
OH! OH! OH!
O SAPATO É DA MÃE DELA.





PARLENDA:

MEIO-DIA
MACACO ASSOBIA
PANELA NO FOGO
BARRIGA VAZIA.
PARLENDA:

MEIO-DIA
MACACO ASSOBIA
PANELA NO FOGO
BARRIGA VAZIA.











CANTIGA:  MEU GALINHO

HÁ TRÊS NOITES QUE EU NÃO DURMO
Ó LÁ LÁ
POIS PERDI O MEU GALINHO
O LÁ LÁ
COITADINHO O LÁ LÁ,
POBREZINHO O LÁ LÁ
SE PERDEU LÁ NO JARDIM.

ELE É BRANCO E AMARELO
O LÁ LÁ
TEM A CRISTA VERMELHINHA
O LÁ LÁ
BATE AS ASAS, O LÁ LÁ,
ABRE O BICO O LÁ LÁ
E FAZ QUI QUI RI QUI QUI

JÁ RODEI O MATO GROSSO, Ó LÁ LÁ
AMAZONAS E PARÁ, O LÁ LÁ
ENCONTREI O LÁ LÁ,
MEU GALINHO, O LÁ LÁ
NO SERTÃO DO CEARÁ.
CANTIGA:  MEU GALINHO

HÁ TRÊS NOITES QUE EU NÃO DURMO
Ó LÁ LÁ
POIS PERDI O MEU GALINHO
O LÁ LÁ
COITADINHO O LÁ LÁ,
POBREZINHO O LÁ LÁ
SE PERDEU LÁ NO JARDIM.

ELE É BRANCO E AMARELO
O LÁ LÁ
TEM A CRISTA VERMELHINHA
O LÁ LÁ
BATE AS ASAS, O LÁ LÁ,
ABRE O BICO O LÁ LÁ
E FAZ QUI QUI RI QUI QUI

JÁ RODEI O MATO GROSSO, Ó LÁ LÁ
AMAZONAS E PARÁ, O LÁ LÁ
ENCONTREI O LÁ LÁ,
MEU GALINHO, O LÁ LÁ
NO SERTÃO DO CEARÁ.





PARLENDA

REI CAPITÃO
SOLDADO LADRÃO
MOÇA BONITA
DO MEU CORAÇÃO.
PARLENDA

REI CAPITÃO
SOLDADO LADRÃO
MOÇA BONITA
DO MEU CORAÇÃO.





PARLENDA

HOJE É DOMINGO
PÉ DE CACHIMBO
CACHIMBO É DE BARRO
DÁ NO JARRO
O JARRO É FINO
DÁ NO SINO
O SINO É DE OURO
DÁ NO TOURO
O TOURO É VALENTE
DÁ NA GENTE
A GENTE É FRACO
CAI NO BURACO
O BURACO É FUNDO
ACABOU-SE O MUNDO.
PARLENDA

HOJE É DOMINGO
PÉ DE CACHIMBO
CACHIMBO É DE BARRO
DÁ NO JARRO
O JARRO É FINO
DÁ NO SINO
O SINO É DE OURO
DÁ NO TOURO
O TOURO É VALENTE
DÁ NA GENTE
A GENTE É FRACO
CAI NO BURACO
O BURACO É FUNDO
ACABOU-SE O MUNDO.











PARLENDA

UNI DUNI TÊ
SALAMÊ MINGUÊ
UM SORVETE COLORÊ
O ESCOLHIDO FOI VOCÊ.
PARLENDA

UNI DUNI TÊ
SALAMÊ MINGUÊ
UM SORVETE COLORÊ
O ESCOLHIDO FOI VOCÊ.





PARLENDA

O MACACO FOI À FEIRA
NÃO SABIA O QUE COMPRAR
COMPROU UMA CADEIRA
PARA A COMADRE SE SENTAR
A COMADRE SE SENTOU
A CADEIRA ESBORRACHOU
COITADA DA COMADRE
FOI PARAR NO CORREDOR.
PARLENDA

O MACACO FOI À FEIRA
NÃO SABIA O QUE COMPRAR
COMPROU UMA CADEIRA
PARA A COMADRE SE SENTAR
A COMADRE SE SENTOU
A CADEIRA ESBORRACHOU
COITADA DA COMADRE
FOI PARAR NO CORREDOR.





PARLENDA

 DEDO MINDINHO
SEU VIZINHO
MAIOR DE TODOS
FURA BOLO
MATA PIOLHO.
PARLENDA

 DEDO MINDINHO
SEU VIZINHO
MAIOR DE TODOS
FURA BOLO
MATA PIOLHO.





PARLENDA

UM, DOIS,
FEIJÃO COM ARROZ;
TRÊS, QUATRO,
ARROZ COM PATO;
CINCO, SEIS,
BOLO INGLÊS;
SETE, OITO,
CAFÉ COM BISCOITO;
NOVE, DEZ,

VAI NA BICA LAVAR OS PÉS
PRA COMPRAR CINCO PASTÉIS
PRA GANHAR QUINHENTOS RÉIS
PRA COMER NO DIA DEZ.
PARLENDA

UM, DOIS,
FEIJÃO COM ARROZ;
TRÊS, QUATRO,
ARROZ COM PATO;
CINCO, SEIS,
BOLO INGLÊS;
SETE, OITO,
CAFÉ COM BISCOITO;
NOVE, DEZ,

VAI NA BICA LAVAR OS PÉS
PRA COMPRAR CINCO PASTÉIS
PRA GANHAR QUINHENTOS RÉIS
PRA COMER NO DIA DEZ.





PARLENDA

LÁ EM CIMA DO PIANO
TEM UM COPO DE VENENO
QUEM BEBEU MORREU
O CULPADO NÃO FUI EU.
PARLENDA

LÁ EM CIMA DO PIANO
TEM UM COPO DE VENENO
QUEM BEBEU MORREU
O CULPADO NÃO FUI EU.










PARLENDA

LÁ VAI A BOLA
GIRAR NA RODA
PASSEAR DEPRESSA
E SEM DEMORA
E SE NO FIM
DESTA CANÇÃO
VOCÊ ESTIVER
COM A BOLA NA MÃO
DEPRESSA PULE FORA.
PARLENDA

LÁ VAI A BOLA
GIRAR NA RODA
PASSEAR DEPRESSA
E SEM DEMORA
E SE NO FIM
DESTA CANÇÃO
VOCÊ ESTIVER
COM A BOLA NA MÃO
DEPRESSA PULE FORA.






POEMA: O BICHO- MANUEL BANDEIRA

VI ONTEM UM BICHO
NA IMUNDÍCIE DO PÁTIO
CATANDO COMIDA ENTRE OS DETRITOS.

QUANDO ACHAVA ALGUMA COISA
NÃO EXAMINAVA NEM CHEIRAVA:
ENGOLIA COM VORACIDADE.

O BICHO NÃO ERA UM CÃO
NÃO ERA UM GATO,
NÃO ERA UM RATO.

O BICHO, MEU DEUS! ERA UM HOMEM.
POEMA: O BICHO- MANUEL BANDEIRA

VI ONTEM UM BICHO
NA IMUNDÍCIE DO PÁTIO
CATANDO COMIDA ENTRE OS DETRITOS.

QUANDO ACHAVA ALGUMA COISA
NÃO EXAMINAVA NEM CHEIRAVA:
ENGOLIA COM VORACIDADE.

O BICHO NÃO ERA UM CÃO
NÃO ERA UM GATO,
NÃO ERA UM RATO.

O BICHO, MEU DEUS! ERA UM HOMEM.





POEMA: A PORTA - VINÍCIUS DE MORAES

EU SOU FEITA DE MADEIRA.
MADEIRA, MATÉRIA MORTA.
MAS NÃO HÁ COISA NO MUNDO
MAIS VIVA DO QUE UMA PORTA.

EU ABRO DEVAGARINHO
PRA PASSAR O MENININHO
EU ABRO BEM COM CUIDADO
PRA PASSAR O NAMORADO
EU ABRO BEM PRAZENTEIRA
PRA PASSAR A COZINHEIRA
EU ABRO DE SUPETÃO
PRA PASSAR O CAPITÃO.

SÓ NÃO ABRO PRA ESSA GENTE
QUE DIZ (A MIM BEM ME IMPORTA…)
QUE SE UMA PESSOA É B URRA
É BURRA COMO UMA PORTA.
EU SOU MUITO INTELIGENTE!

EU FECHO A FRENTE DA CASA
FECHO A FRENTE DO QUARTEL
FECHO TUDO NESTE MUNDO
SÓ VIVO ABERTA NO CÉU.
POEMA: A PORTA - VINÍCIUS DE MORAES

EU SOU FEITA DE MADEIRA.
MADEIRA, MATÉRIA MORTA.
MAS NÃO HÁ COISA NO MUNDO
MAIS VIVA DO QUE UMA PORTA.

EU ABRO DEVAGARINHO
PRA PASSAR O MENININHO
EU ABRO BEM COM CUIDADO
PRA PASSAR O NAMORADO
EU ABRO BEM PRAZENTEIRA
PRA PASSAR A COZINHEIRA
EU ABRO DE SUPETÃO
PRA PASSAR O CAPITÃO.

SÓ NÃO ABRO PRA ESSA GENTE
QUE DIZ (A MIM BEM ME IMPORTA…)
QUE SE UMA PESSOA É B URRA
É BURRA COMO UMA PORTA.
EU SOU MUITO INTELIGENTE!

EU FECHO A FRENTE DA CASA
FECHO A FRENTE DO QUARTEL
FECHO TUDO NESTE MUNDO
SÓ VIVO ABERTA NO CÉU.





POEMA: A CASA- VINICIUS DE MORAES

ERA UMA CASA
MUITO ENGRAÇADA
NÃO TINHA TETO
NÃO TINHA NADA
NINGUÉM PODIA
ENTRAR NELA NÃO
PORQUE NA CASA
NÃO TINHA CHÃO
NINGUÉM PODIA
DORMIR NA REDE
PORQUE NA CASA
NÃO TINHA PAREDE
NINGUÉM PODIA
FAZER PIPI
PORQUE PENICO NÃO TINHA ALI.
MAS ERA FEITA COM MUITO ESMERO NA
RUA DOS BOBOS
NÚMERO ZERO.
POEMA: A CASA- VINICIUS DE MORAES

ERA UMA CASA
MUITO ENGRAÇADA
NÃO TINHA TETO
NÃO TINHA NADA
NINGUÉM PODIA
ENTRAR NELA NÃO
PORQUE NA CASA
NÃO TINHA CHÃO
NINGUÉM PODIA
DORMIR NA REDE
PORQUE NA CASA
NÃO TINHA PAREDE
NINGUÉM PODIA
FAZER PIPI
PORQUE PENICO NÃO TINHA ALI.
MAS ERA FEITA COM MUITO ESMERO NA
RUA DOS BOBOS
NÚMERO ZERO.


5 comentários: